Os 75 mil professores da Rede Estadual de Ensino recebem amanhã os novos valores correspondentes ao Plano de Cargos, Carreira e Salários do Magistério.

Eles serão contemplados com reajustes que variam de 58% a 102% em relação à tabela de 98. O reajuste médio é de 33%.

Com o reajuste, o governo do Paraná terá um impacto em torno de R$ 30 milhões na folha de pagamento do funcionalismo público. Só a folha de pagamento dos professores saltou de aproximadamente R$ 110 para R$ 140 milhões.

O plano foi uma das maiores realizações conquistadas pelos professores nos últimos anos. O texto final foi aprovado em fevereiro do ano passado, por meio de acordo firmado entre a Secretaria de Estado de Educação (Seed) e a APP-Sindicato, e levou quase um ano para ser elaborado.

Tabela

Após diversas reuniões entre representantes da Seed e da APP, em 7 de fevereiro a categoria aprovou o texto, que define como os professores irão progredir e avançar na carreira. Uma das principais conquistas foi a nova tabela salarial, que garante isonomia entre os vencimentos do professor da ativa e o aposentado.

Para o secretário Maurício Requião, essa atitude vem confirmar o compromisso anteriormente firmado pelo governador Roberto Requião (PMDB). “Em 15 de fevereiro, nós tivemos consciência da imensa dificuldade imposta pelas condições econômicas e pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Em maio, as dificuldades se mostraram ainda maiores, mas o governador reafirmou o seu compromisso com a educação dos paranaenses, mandando pagar os salários dos professores”, afirmou o secretário estadual da Educação.

Magistério elogia Plano de Cargos

O professor Alcides José de Carvalho está no cargo de diretor do Colégio Estadual Emílio de Menezes há 14 anos e em 1998 foi reeleito para o cargo. Ele atua no magistério há 31 anos como professor do Estado. Para ele, o plano traz novas perspectivas de vida. “O Plano de Carreira trouxe uma nova expectativa para o professor do Estado. Em todos esses anos de carreira, é a primeira vez que observo a classe ser verdadeiramente reconhecida na história do magistério”, comentou.

Segundo ele, duas coisas são bem significativas no plano. “Primeiro, ele é legitimado pelo Sindicato dos Professores. Portanto, não foi uma coisa imposta, mas discutida e colocada de forma democrática. Segundo, o plano reflete os anseios da categoria, que pode ter um crescimento na carreira profissional, sendo portanto bastante positivo para o professor. E quem vai ganhar com isso é o próprio aluno, pois a qualidade de aula tende a melhorar. Sem dúvida, é um grande e primeiro passo para o reconhecimento da carreira dos professores do Estado”, disse.

Incentivo

Já para a professora Ediu Weden Oliveira Benedes, que leciona desde 1976 e trabalha com as turmas de 1.ª a 4.ª séries do Ensino Especial no Colégio Alcione Morais de Castro Veloso, foram vários os benefícios trazidos pelo novo plano. “O Plano de Carreira, financeiramente, foi excelente para mim. Com o aumento, vou passar a ganhar praticamente o dobro”, disse.

Segundo a professora, um dos maiores benefícios foi o incentivo que o magistério recebe para voltar a estudar. “Ao terminar a faculdade, ele é automaticamente promovido na carreira, mediante apenas a apresentação do diploma”, comentou, já que, antes, o professor tinha que conseguir a elevação de cargo ano a ano.

Outro benefício significativo apontado por ela foi o de que, a partir de 25 anos de serviço, o professor tem direito a reivindicar 5% de reposição salarial. “Com isso, eu, que tenho 28 anos de carreira, vou reivindicar o acréscimo dos últimos três anos, ou seja, vou receber o acréscimo de 15% sobre o meu salário, além do que essas gratificações vão nos acompanhar até a aposentadoria”, afirmou.