O vereador de Curitiba professor Galdino (sem partido) e o presidente do diretório estadual do PV, Melo Viana, foram ouvidos ontem no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), onde tramita o processo de cassação do vereador.

Galdino foi expulso do PV acusado de assédio sexual a uma ex-funcionária da Câmara, caixa 2 na campanha e descumprimento do estatuto do partido. A partir daí, o PV passou a requerer sua cadeira na Câmara, com base na regra de fidelidade partidária, que confirmou que o mandato pertence ao partido.

Testemunhas

O processo está sob os cuidados do juiz do TRE, Auracyr Cordeiro de Moura, que agora irá julgar o caso. Na sua defesa, Galdino voltou a dizer que foi alvo de perseguição e retaliação por parte do PV, após ter exonerado de seu gabinete dois funcionários indicados pelo partido que não apareceram para trabalhar na Câmara, motivo pelo qual foi aberta a comissão de ética do partido contra o vereador. Os dois funcionários também foram ouvidos no TRE.