Ato público relembra um ano do fim da
luta contra a privatização da Estatal.

Integrantes do Fórum Popular Contra a Venda da Copel realizaram ontem pela manhã na Boca Maldita, centro de Curitiba um ato público para relembrar um ano do fim da luta contra a privatização da Estatal. Agora o Fórum se prepara para outras conquistas. Vai trabalhar para que seja derrubada a lei, aprovada durante o governo de Fernando Hemrique cardoso, que autoriza a privatização de Estatais de setores essenciais como a energia elétrica e saneamento básico.

Além de tentar acabar com a lei que permite a venda das estatais, o Fórum vai lutar para que a Copel pesquise outras formas de gerar energia elétrica. O diretor do Sindicato dos Eletricitários de Curitiba, Stanislaw Gramowski, criticou a produção através do gás natural, já que ele é comprado em dólar da Bolívia. Outra luta será para que o Paraná receba os 600 milhões de ICMS (Imposto sobre a circulação de Mercadorias e Serviços) que deixa de arrecadar na exportação de energia para outros estados.

Memórias

Quem passou pelo centro da cidade pôde lembrar vários fatos que ocorrerem no período em que o ex-governador Jaime Lerner pretendia vender a Copel. Entre eles a ocupação de estudantes na Assembléia Legislativa, a votação do projeto de iniciativa popular e o cancelamento do leilão de venda.

Um cartaz confrontava as explicações do ex-governador sobre o cancelamento do leilão.