A prefeitura de Taquari (RS) retirou o busto de Arthur da Costa e Silva da Lagoa Armênia, na região central do município, depois de saber que o relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV) responsabilizou os presidentes do regime militar (1964-1985) por violações de direitos humanos. Nascido na cidade gaúcha em 1899, Costa e Silva governou o País entre março de 1967 e agosto de 1969.

O monumento foi desmontado na tarde de terça-feira e, em seguida, levado à Casa Costa e Silva, museu que homenageia o ex-presidente na casa na qual ele viveu alguns anos de sua infância. Ao lado do busto será colocada uma cópia do relatório da Comissão Nacional da Verdade. O prefeito Emanuel Hassen de Jesus (PT) diz que, com isso, o município preserva sua história e oferece os dois lados dela aos visitantes.

“O relatório aponta que o ex-presidente foi responsável por atrocidades em período nebuloso e nós entendemos que, diante disso, não cabia mais a homenagem no nosso principal ponto turístico”, justificou o prefeito. A decisão foi tomada pelo gabinete, com base na prerrogativa que tem de reorganizar os espaços públicos.

Admitindo que a atitude pode gerar polêmicas, o prefeito afirma que “a discussão é salutar na democracia, algo que o ex-presidente não gostava”. E compara os diferentes momentos da história brasileira. “No tempo dele (Costa e Silva) não se podia contestar nada; hoje todos podem ser contra ou a favor”, compara, dizendo-se preparado para eventuais críticas.