O prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, acaba de anunciar, na tarde desta terça-feira (15), na Câmara Municipal, o cancelamento do contrato entre a prefeitura e a empresa de radares Consilux, responsável por pelo menos 140 equipamentos na capital.

A prefeitura irá intervir e a operação ficará a cargo da Urbanização de Curitiba (Urbs). Ducci estuda a possibilidade de estatizar o serviço.

“Essa decisão vai resgatar a credibilidade do sistema. A função do radar é proteger vidas, por isso tomei essa decisão para que o sistema volte a ser confiável. Essa situação não poderia passar em branco. Estou indignado como todo cidadão curitibano”, afirmou o prefeito.

O prefeito disse ainda que ética e moral foram os principais fatores para ele tomar esta decisão. “A prefeitura assume agora o sistema que pode ter licitação para compra de equipamentos, mas não para gerenciamento”, disse. Para Ducci, já que o contrato foi cancelado, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) não teria serventia.

Líder da bancada de oposição e proponente da CPI dos Radares, o vereador Jony Stica (PT) elogiou o decisão do prefeito. “Mostrou que tem pulso e que zela pelo interesse público”. Mas disse que a revogação dos contratos não afasta a necessidade de uma investigação sobre possíveis vícios e irregularidades nos contratos da prefeitura com a Consilux.

“Os seis vereadores que já assinaram o pedido de CPI se reuniram e concluíram pela necessidade de mantermos o pedido de CPI”, disse. Além de Stica, já assinaram a CPI os vereadores Professora Josete (PT), Pedro Paulo (PT), Noêmia Rocha (PMDB), Algaci Túlio (PMDB) e Paulo Salamuni (PV).

Stica disse acreditar que, com o posicionamento do prefeito, ficará mais fácil conseguir as 18 assinaturas necessárias para a abertura de CPI. “O prefeito já mostrou que não tem qualquer constrangimento com o assunto e a CPI é o instrumento legal para que investiguemos esses contratos. Com essa decisão de cancelar os contratos, ficou claro que a CPI não é uma questão política. Vamos voltar a conversar com os vereadores da base”, disse o líder da oposição, que propôs, até, que a presidência da CPI fique com um vereador da bancada de apoio a Ducci.

Da base do prefeito, a vereador Julieta Reis (DEM) disse que, “se houver necessidade”, assinará a CPI. “Os radares protegem a vida. Mas devem ser geridos de forma transparente, assim como o mobiliário urbano”, disse a vereadora, que já deu uma dica para a bancada de oposição. “Os contratos com a Clear Channel, que atende ao mobiliário urbano em Curitiba, ainda são um mistério. Não conseguimos as cópias até agora”.

(Com informações de Roger Pereira)

Leia mais

Se fraudes forem confirmadas, Ducci vai apoiar CPI do Radar

Oposição quer investigar contratos realizados em Curitiba