Os prefeitos dos municípios de fronteira aproveitarão a 14.ª Marcha dos Prefeitos, que acontece a partir do próximo dia 10, para lançar o “observatório do crack” para a troca de experiências sobre as necessidades e soluções para combater o tráfico de drogas nas cidades brasileiras. O presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, adiantou que o objetivo é, a partir do encontro, criar uma rede de enfrentamento ao crack e outras drogas com os municípios de fronteira. Ziulkoski esclarece que o observatório foi criado também para viabilizar o diagnóstico e o acompanhamento das ações desenvolvidas. “Com os dados sobre a circulação e consumo da droga, será possível orientar a gestão municipal e a tomada de decisões”, disse.

Um dos participantes será o prefeito de Campos de Júlio (MT), Dirceu Martins Comiran, município próximo à fronteira com a Bolívia e integrantes da chamada “Rota do Tráfico”. “Temos problemas de drogas em todos os níveis. Não posso esconder a realidade. O problema envolve, principalmente, os adolescentes”.  Ele salienta que é fundamental um policiamento mais eficiente na região e um trabalho de inteligência para começar as ações efetivas de enfrentamento ao crack e ao tráfico de drogas.

Também considerado rota do tráfico internacional de drogas, o Paraná dará uma atenção especial ao observatório durante a Marcha. “Vamos criar uma comissão de prefeitos paranaenses para acompanhar esse trabalho contra o crack”, adiantou Moacyr Fadel, presidente da Associação dos Municípios do Paraná e prefeito de Castro. A montagem da comissão ficará a cargo do presidente da  Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (região mais perigosa do tráfico no Estado), prefeito de Jesuítas, Aparecido José Weiller Junior (PMDB).