Desde ontem, o Portal da Transparência, da Assembleia Legislativa do Paraná, apresenta os gastos dos gabinetes de deputados referentes ao mês de agosto desse ano. No site, é possível verificar ainda como os parlamentares aplicaram os R$ 15 mil referentes aos seus créditos mensais detalhadamente.

No entanto, até ontem, dos 54 parlamentares, a Comissão de Tomada de Contas havia postado os dados de apenas 24 deles no Portal. E com dados detalhados, apenas um.

A Comissão recebe os documentos, analisa se estão corretos e é responsável pela alimentação do site. De acordo com os dados parciais exibidos no portal, o parlamentar que mais usou sua quota da verba de R$ 15 mil foi o Professor Lemos (PT), com R$ 14.998,60 de despesa, realizadas em agosto. Em seguida, está Fábio Camargo (PTB), R$ 14.997,38 e, em terceiro lugar, o deputado Luiz Fernandes Litro (PSDB), com R$ 14.994,89.

Por outro lado, os parlamentares que menos gastaram suas verbas de ressarcimento de agosto foram Caíto Quintana (PMDB), com R$ 4.712,03 de despesa, Jocelito Canto (PTB), com R$ 8.294,34 e, em terceiro lugar, a deputada Cida Borghetti (PP), com R$ 9.371,50.

Uma das despesas que aparecem nos demonstrativos é relacionada aos serviços de comunicação (telefones fixos, móvel e fax). Quem mais gastou nessa categoria foi o deputado Douglas Fabrício (PPS), com R$ 3.553,38.

Também computaram essa despesa os deputados Professor Lemos (R$ 2.885,47), Durval Amaral (R$ 1.849,85), Fábio Camargo (R$ 1.531,67), o presidente da Assembleia Legislativa, Nelson Justus, do DEM, (R$ 1.365,98), o peemedebista Alexandre Curi (R$ 1.254,85), Chico Noroeste (PR), com R$ 982,68, o peemedebista Edson Strapasson (R$ 980,69) e o democrata Osmar Bertoldi (R$ 533,51).

Do valor integral de R$ 27,5 mil que cada deputado tem direito, R$ 15 mil podem ser utilizados para pagamentos de alimentação, material de expediente, locação de imóveis, serviços de comunicação, hospedagem, divulgação de atividade parlamentar, serviços gráficos e passagens.

Além disso, os parlamentarem têm direito a R$ 3,2 mil para telefone e R$ 4,5 mil para combustível. Até a tarde de ontem, os gastos relacionados com os servidores da Assembleia ainda não estavam disponíveis no Portal da Transparência.

De todos os parlamentares que postaram seus gastos no Portal da Transparência, apenas o deputado Durval Amaral, o idealizador e coordenador da criação do Portal, apresentou com detalhes os seus gastos de agosto.

No portal, não é possível conhecer o nome da empresas que prestaram serviços aos gabinetes. O modelo do Portal identifica as empresas pelo Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).

No caso de Amaral, estão registradas compras de material de higiene e limpeza (R$ 13), material de informática (R$463), telefone (R$ 1,8 mil), alimentação (R$ 1,9 mil), combustível (R$2,2 mil), passagens (R$2,4 mil), serviços de áudio (R$ 177) e assinaturas de periódicos (R$ 550). Todos totalizam R$ 9,8 mil.