O grupo pró-aliança com o PT na disputa para a Prefeitura de Curitiba anunciou ontem que tem o apoio de 61 dos 113 convencionais que decidirão a participação do partido nas eleições de outubro. A executiva municipal do PMDB prometeu divulgar os nomes dos defensores da aliança em um manifesto que será lançado no final de semana a favor da união dos dois partidos na sucessão do prefeito Cassio Taniguchi (PFL).

Reunida ontem em almoço no restaurante Porta Romana, em Santa Felicidade, a executiva municipal do PMDB confirmou que irá realizar a convenção extraordinária ainda este mês, para decidir sobre a posição do partido na eleição. De acordo com o presidente municipal do PMDB, Doático Santos, o governador Roberto Requião já concordou com a convocação da convenção extraordinária e que falta apenas marcar a data.

O almoço de ontem teve a participação de um dos líderes da ala que defende a candidatura própria, o diretor geral do Detran, Marcelo Almeida. No início da tarde, foram disseminadas informações de que Almeida havia aderido ao grupo pró-aliança. Almeida tratou de emitir uma nota oficial desmentindo que havia mudado de lado.

“Se a maioria do diretório municipal optar pela coligação, trabalharei pela coligação após a convenção. Até lá, continuo trabalhando para que o PMDB tenha candidato próprio na disputa pela Prefeitura de Curitiba”, justificou. O diretor do Detran explicou que foi ao almoço para se reconciliar com a ala adversária que o derrotou na convenção municipal do partido. Almeida concorreu a presidente do PMDB.

O presidente municipal do PMDB disse que Almeida pode ser um “elo de ligação” entre as duas alas. “Queremos evitar a fragmentação nesse processo”, disse Doático.