Foto: Aliocha Maurício
Militantes do PMDB fazem manifestação política na Boca Maldita, embora proibida por
portaria de juiz eleitoral.

Desafiando a portaria do juiz Benjamin Acácio de Moura e Costa, da 178.ª Zona Eleitoral, de Curitiba, que, amparado pela legislação municipal e eleitoral proibiu a propaganda política em algumas das principais ruas de Curitiba, como a XV de Novembro, o diretório municipal do PMDB foi ontem à Boca Maldita (marco da rua XV) para anunciar a convenção do partido, que será realizada hoje, no Clube Literário.

Muito mais que fazer propaganda da convenção municipal, o PMDB organizou a mobilização para protestar contra a decisão da Justiça Eleitoral. ?A Boca Maldita é o maior espaço democrático de Curitiba.

A pauta política faz parte do dia-a-dia das pessoas que freqüentam o local. Estamos aqui hoje (ontem) para divulgar a convenção e defender a liberdade de expressão neste espaço histórico?, disse o presidente municipal do partido, Doático Santos, que revelou não temer ser punido pela Justiça Eleitoral.

?O PMDB já formalizou pedido de correção da portaria. Acho que essa proibição será revista rapidamente. A cidade tem a Boca como símbolo do debate e não vai permitir ser cerceada disso. Seria uma vergonha?, declarou. ?O PMDB não se conforma com essa proibição. Isso só favorece a quem quer se esconder, quem faz das eleições um balcão de negócios. A Boca Maldita vive política 365 dias por anos e não precisa da autorização de ninguém para isso?, concluiu.

Convenção

O único bate-chapa dentro de um partido para a escolha do candidato à Prefeitura de Curitiba deve ocorrer hoje. O PMDB decide entre o ex-reitor da Universidade Federal do Paraná, Carlos Moreira Júnior, nome indicado pelo governador Roberto Requião, e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures, lançado como pré-candidato pela ala descontente com o progresso da pré-candidatura de Moreira.

O PMDB iniciou o ano com cinco pré-candidatos à Prefeitura, e uma pré-convenção marcada para março, que acabou não ocorrendo em virtude da preferência do governador pela candidatura de Moreira e do fato de os demais pré-candidatos não estarem dispostos a confrontar o governador. Mas a candidatura de Moreira não deslanchou (aparece com apenas 0,8% das intenções de votos na última pesquisa, realizada pelo Instituto Alvorada) e Rocha Loures, ao lado do deputado estadual Reinhold Stephanes Júnior lançaram uma candidatura alternativa.

Apesar do bate-chapa, Doático Santos acredita que Moreira será tranqüilamente confirmado como o candidato do partido na convenção de hoje. ?São 113 votos e já contei 95 para Moreira. O empenho agora será em trazer o Rocha Loures para a linha de frente da campanha?, disse ontem. ?O Moreira é a confirmação da posição do governador, que é nosso maior líder e grande eleitor?, acrescentou.

Mas não é só a definição do candidato que agitará a convenção peemedebista. A dificuldade em fazer alianças e em encontrar um candidato a vice também preocupam. ?Estamos tentado o PR, do deputado Carlos Simões, mas estou desacorçoado com essa possibilidade e já trabalhamos com a possibilidade de chapa pura. Aí, Rocha Loures seria nosso primeiro nome?, revelou Doático.