O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, voltou a dizer nesta quinta-feira, 16, que a Petrobras é vítima, e não protagonista dos desvios descobertos pela Operação Lava Jato. Ele repetiu o discurso dos ex-presidentes da Petrobras, José Sérgio Gabrielli e Maria das Graças Foster, de que os casos de corrupção envolvendo diretores da empresa ocorreram fora da estatal.

“Os ilícitos não ocorreram dentro da Petrobras. Se aconteceu algo interno, foi algo circunscrito àquele grupo. A empresa está fazendo o seu melhor esforço para sanear essa questão da corrupção”, completou, em depoimento à CPI da Petrobras, na Câmara dos Deputados.

Coutinho, voltou a dizer que, se os desvios na Petrobras tivessem sido identificados anteriormente, o conselho de administração da empresa teria tomado as providências necessárias.

“Se presidente Dilma Rousseff tivesse tido conhecimento de qualquer ilícito, ela teria tomado providências”, afirmou.