O governador Orlando Pessuti (PMDB), nomeou, ontem, mais um nome para o primeiro escalão de sua equipe. Everaldo Belo Moreno foi nomeado novo presidente da Companhia Paranaense de Habitação (Cohapar), substituindo Rafael Greca (PMDB) que foi empossado deputado estadual com a cassação de Mauro Moraes (PSDB) por infidelidade partidária.

Com as nomeações de Herculano Francisco Lisboa para a Secretaria de Turismo e de Mario Lobo Filho, para a superintendência da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), na última quinta-feira, Pessuti praticamente encerra a reforma em seu secretariado, restando apenas a vaga em aberto na Secretaria de Controle Interno e a indefinição quanto à situação do secretário de Representação do Paraná em Brasília, Eduardo Requião, afastado do cargo desde o final de março.

Sem saber se permaneceria no governo, Eduardo entregou pedido de exoneração no final de março para se desincompatibilizar a tempo de disputar uma eventual eleição para a Câmara Federal.

A exoneração, no entanto, nunca foi publicada, mas Eduardo decidiu afastar-se do cargo para não ser impedido de disputar a eleição. O irmão do ex-governador Roberto Requião, disse, porém, que avalia a possibilidade de continuar no cargo. Uma conversa marcada com o Pessuti para a próxima semana deverá resolver a questão.

“É uma decisão para ser tomada entre eu e o Pessuti. Não tenho nenhum problema, só me afastei para deixá-lo à vontade, mas ele já falou que conta comigo e já me convidou a permanecer. Vamos conversar para ver o que ele espera da Secretaria e o que quer priorizar. Se concordarmos, seguimos em Brasília”, disse Eduardo.

Com as últimas trocas, e se mantiver Eduardo no Cargo, Pessuti alterou 15 secretários do governo Requião e manteve também 15 no cargo. Se o governador foi obrigado a fazer a maioria das trocas, para substituir secretários que deixaram os cargos para disputar as eleições, o governador também aproveitou a reforma para fazer alterações que achava necessária, trocando alguns nomes de confiança de seu antecessor, como o secretário de Segurança, Luiz Fernando Delazari e o de Comunicação, Benedito Pires, substituídos, respectivamente, por Aramis Linhares Cerpa e Ricardo Cansian Neto, mudanças que desagradaram o ex-governador e que causaram outras baixas na equipe, já que Luiz Carlos Delazari (Ouvidoria) e Carlos Frederico Marés (procurador-geral) pediram exoneração após a saída dos colegas.

As mudanças de Pessuti não atingiram só as secretarias, ele também mexeu nas autarquias e empresas públicas. Pessuti foi criticado por Requião quando trocou o presidente da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel). Ronald Ravedutti substituiu Rubens Ghilardi.

A troca na Appa também atinge o ex-governador, já que Daniel Lúcio de Oliveira foi indicado por Eduardo Requião, quando deixou a superintendência por conta da súmula antinepotismo.

“É uma decisão dele. Achou que deveria trocar e trocou. Minha indicação foi apenas uma sugestão, pois o Daniel fazia parte da administração. A maioria da minha equipe foi mantida e, aos poucos, alguns nomes vão mudando naturalmente”, minimizou Eduardo Requião.