Um dos vice-líderes do governo na Câmara Federal, o deputado federal Paulo Bernardo (PT), atribui as críticas do governador Roberto Requião (PMDB) ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à situação financeira do Paraná. Segundo Bernardo, os ataques do governador à política econômica e ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci, refletem a angústia contábil dos Estados. “Pode ser conta das dificuldades financeiras, o que é mais ou menos normal, já que todo mundo está com a corda no pescoço”, afirmou.

De acordo com Bernardo, o Palácio do Planalto identificou o governador do Paraná como o “ponta de lança” na reunião dos governadores realizada no mês passado, que resultou em documento pedindo mudanças na política econômica. “É claro que ninguém fica satisfeito com críticas, mas o governador tem aquele estilo dele. Além disso, essa atuação pode ser entendida como um sinal em relação às finanças estaduais”, disse.

Para o deputado petista, o fato de o governo ter recuado no pagamento do reajuste salarial dos professores estaduais retroativo a fevereiro é o sinal mais visível de que o Paraná tem problemas de caixa.