A direção estadual do PSDB propôs formalmente ontem à tarde uma aliança com o PDT nas eleições de outubro. Os tucanos oferecem ao partido do senador Osmar Dias as vagas de candidato a vice-governador e ao Senado, na chapa encabeçada pelo ex-prefeito de Curitiba Beto Richa. Os tucanos aguardam que a resposta dos pedetistas seja dada em uma semana. O presidente estadual do PSDB, deputado Valdir Rossoni, apresentou a proposta em reunião no diretório estadual do PDT, em Curitiba, ao presidente em exercício do partido, deputado estadual Augustinho Zucchi. O senador Osmar Dias estava em Brasília.

Para ouvir a oferta tucana, Zucchi reuniu os integrantes da executiva do partido. A principal aposta tucana é convencer o senador Osmar Dias a desistir da candidatura ao governo e concorrer para mais oito anos de mandato ao Senado. Se Osmar aceitar, os tucanos consideram que terão uma chapa invencível ao governo. “É barba, cabelo e bigode”, disse o líder da bancada estadual tucana, Ademar Traiano. “Agora, não tem mais blá,blá,blá. A proposta é concreta”, acrescentou Rossoni.

Sem ofensas

Zucchi disse que o convite será analisado e que é recebido com naturalidade, já que se trata de uma discussão entre dois aliados antigos. “Estivemos juntos em eleições anteriores. É natural que a gente converse. Mas não pensem que isso significa que o senador Osmar Dias está fora do jogo. Nós estamos no jogo e propostas não ofendem, principalmente se for clara. Mas ninguém está dizendo que nós vamos aceitar esta proposta”, reagiu o dirigente pedetista.

O PDT não discute acordos eleitorais somente em torno de posições na disputa, afirmou o presidente do PDT. Ele destacou que o PDT tem um programa de governo e que qualquer negociação para composições na eleição passa também pela discussão das propostas para o Estado. Além das vagas majoritárias, o PSDB também acena ao PDT com a possibilidade de uma coligação na disputa proporcional. Rossoni disse que poderá ser formado um chapão com PDT, DEM, PP, PSDB e PSDB para a Câmara dos Deputados e Assembleia Legislativa.

Rossoni disse que se o PDT concordar em compor para a disputa ao Senado, a outra vaga será definida em discussão com os demais partidos da aliança. O PP já reivindica a indicação do seu presidente estadual, Ricardo Barros, para o Senado. Quanto ao PPS, Rossoni comentou que acredita em acordo já que o presidente estadual do partido, Rubens Bueno, sempre defendeu a reedição da aliança da eleição de 2008, quando os mesmos partidos apoiaram a reeleição de Beto para a prefeitura. Ontem, representantes do PR conversaram com o ex-prefeito Beto Richa. Rossoni disse que outro aliado do governo Lula no Congresso Nacional, o PTB, também está discutindo apoio à pré-candidatura de Beto.