Embora o DEM tenha feito parte da aliança do governador Beto Richa (PSDB) durante a campanha eleitoral do ano passado, o apoio do partido à base governista na Assembleia Legislativa, a partir de fevereiro, não será unânime.

O deputado estadual Osmar Bertoldi (DEM) declarou que vai adotar uma postura independente. Bertoldi questiona a recente união de dois grupos que ele considera antagônicos, PSDB e PMDB, inclusive com a nomeação do antigo líder do ex-governador Roberto Requião na Assembleia, Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), para a Secretaria de Estado do Trabalho e Emprego.

“Nós que fizemos oposição na Assembleia durante oito anos ao governo do PMDB trabalhamos na campanha porque esperávamos que assumisse um novo governo, mas eu me pergunto de quem é esse governo que assumiu. Depois da eleição foi feito um grande chapão envolvendo o PMDB, com nomeações regionais, não sei o que aconteceu com o Beto depois da eleição”, diz o deputado.

A posição de Bertoldi teria como motivação o descontentamento com a não nomeação de Beto Richa a algum cargo do novo governo para o deputado. Enquanto Beto ainda formava sua equipe, especulações davam conta que Bertoldi poderia assumir o Instituto Ambiental do Paraná (IAP).

“Estou completamente fora do governo. Vamos esperar um tempo para ver como esse governo vai se comportar. Vou aproveitar o restante do recesso parlamentar para tentar compreender qual é a nova ideologia desse governo que, até agora, mostrou que fez essa grande aliança política que não dá para entender. Virou uma geleia que você não sabe para que lado correr”, responde o deputado.

Dentro do governo estadual, o DEM tem hoje o chefe da Casa Civil, Durval Amaral, e o secretário de Estado do Planejamento, Cássio Taniguchi. O afastamento de Bertoldi com o governo estadual não quer dizer que ele pretende se aliar com os deputados da oposição, salienta.

“Não sei nem que posicionamento tomar. Também não posso virar um deputado aliado ao PT, partido com o qual não compartilho ideais”, responde Bertoldi. Novato na Assembleia e também eleito deputado pelo DEM, Pedro Lupion assume uma postura diferente e diz que a sua tendência é acompanhar o partido e apoiar o governo, mesmo sem ter feito campanha para Beto.

Lupion apoiou abertamente o senador Osmar Dias (PDT) para o governo do Estado. “Falta aparar as arestas e algumas conversas oficiais com o líder do governo (deputado Ademar Traiano) para integrar a base governista, pois temos secretários de Estado que são do DEM e o deputado Plauto Miró é candidato a primeiro-secretrário da Assembleia, na chapa de Valdir Rossoni (PSDB)”, sinaliza Lupion.