Foto: Chuniti Kawamura

Machado: falta estrutura.

A morosidade e a falta de profissionais são as principais dificuldades da Justiça de primeira instância no Paraná. A afirmação é do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná (OAB-PR), Alberto de Paula Machado. Mas para tentar identificar as causas desses problemas, ou até mesmo saná-los, a OAB-PR lançou ontem uma pesquisa com 30 mil advogados do Estado. O objetivo é fazer um diagnóstico do Poder Judiciário no Paraná tendo como ponto de partida a opinião desses profissionais, que vivem os problemas no dia-a-dia.

Na opinião de Machado, a Justiça Estadual (cível e criminal) é a mais morosa e problemática. ?Falta estrutura, como pessoal e varas, principalmente na área criminal. E quem perde é a sociedade?, afirmou. Ele disse ainda que um dos grandes entraves na Justiça em geral é a estrutura dos cartórios. ?Temos um vício de origem desses locais, muitos deles são privados e se organizam de acordo com a vontade do escrivão?, opinou. Ele explicou ainda que os juízes, por exemplo, têm que dar conta de um número muito grande de processos, o que leva à morosidade. Sem falar na falta destes profissionais, que também é um problema a se considerar, segundo Machado.

Os formulários com a pesquisa serão enviados pelos correios a todos os advogados. São, em média, 12 perguntas para cada órgão avaliado, como por exemplo Justiça Estadual/Cível, Justiça Estadual/Criminal, Justiça Federal, Justiça do Trabalho e Juizados Especiais. Entre os pontos abordados há o atendimento prestado pelos cartórios, o tratamento recebido dos funcionários, o tratamento recebido do escrivão, a agilidade nos cartórios e secretarias, o nível de informatização das varas, a celeridade dos despachos e decisões, o cumprimento dos horários de audiências e o relacionamento do juiz com os advogados. ?Queremos inverter o modelo que existe hoje, do advogado contar suas dificuldades para nós. Agora, somos nós que vamos atrás disso?, comentou Machado.

Os profissionais poderão também acessar o formulário pela internet, no site www.oabpr.org.br. A OAB Paraná pretende encerrar a pesquisa no dia 30 de setembro. A previsão é que os resultados sejam divulgados no final de novembro. Os advogados deverão entregar os formulários nas subseções do órgão em todo o Estado. De posse dos dados, a OAB-PR pretende entregar relatórios às esferas judiciais, como ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJ), à Justiça Federal do Paraná e ao Tribunal Regional do Trabalho da 9.ª Região. É a primeira vez que a OAB-PR faz uma pesquisa sobre o assunto.