Foto: Ciciro Back/O Estado

Marlus de Oliveira: presidente acha que motivação é política.

O presidente da Subseção Curitiba da Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná, Marlus Arns de Oliveira, convocou para hoje à tarde uma manifestação em frente à sede da seccional paranaense da OAB-PR para protestar contra a proposta de alguns conselheiros da Ordem, que querem extinguir a subseção da capital. Duas propostas de extinção serão avaliadas e votadas hoje pelo Conselho Pleno da OAB-PR. A assessoria da OAB Paraná informou que não iria dar declarações, uma vez que o assunto não havia sido ainda decidido pelo conselho.

Segundo a OAB-PR, uma das propostas é do conselheiro Renato Cardoso de Almeida Andrade, e questiona a existência de duas estruturas no mesmo ambiente geográfico com responsabilidades concorrentes e gastos com finalidades similares. Outros dois conselheiros, Renato Kanayma e Alfredo de Assis Gonçalves Neto, também alegaram em sua proposta de extinção da Subseção Curitiba que está ocorrendo duplicidade de funções e atribuições entre as duas entidades da ordem, o que acaba trazendo confusões entre advogados. Conforme a assessoria da OAB-PR, eles afirmam na proposta que Curitiba é a única capital que possui subseção da OAB. Pedem, porém, que seja respeitado o atual mandato da subseção, que terminará no final de 2006.

Para o presidente da Subseção Curitiba, o problema é "meramente político, para nossa total indignação". Oliveira entende que pode ser uma manobra política para afastar grupos divergentes na próxima eleição da OAB-PR, no fim do ano. Segundo ele, a Subseção Curitiba tem tido uma postura diferente da OAB-PR no tratamento de questões da profissão. "Na greve dos advogados públicos nós os apoiamos. A OAB-PR sequer os recebeu", exemplifica.

Curitiba possui aproximadamente 14 mil advogados inscritos e o Paraná totaliza cerca de 25 mil. Para Oliveira, "há um grupo de advogados que está no comando da OAB-PR há muito tempo, são pessoas mais velhas". Segundo ele, dos 25 advogados existentes, 75% são jovens. "Os advogados da diretoria da Subseção Curitiba são militantes, que têm audiências e acompanham os problemas da advocacia, diferente dos mais antigos, que possuem grandes escritórios", afirmou Oliveira.

Segundo ele, em prol da manutenção da subseção, foram recolhidas assinaturas de advogados de toda a cidade, além de 21 vereadores da capital e alguns deputados estaduais. Para Oliveira, se for extinta a subseção, o fato representará um ato antidemocrático, deixando advogados curitibanos desamparados e sem representatividade. A Subseção Curitiba está preparando recurso administrativo para impedir a sua extinção.

Para o vereador Paulo Salamuni (PV), que também é procurador do município, acabar com a Subseção em Curitiba é o equivalente à Assembléia Legislativa acabar com a Câmara da capital. Salamuni entende que não é porque outros estados não possuem subseção na capital, que vai se extigüi-la em Curitiba. "Vamos perder a conquista", afirmou.