As negociações da nova ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti (PT-SC), com os deputados da base começaram sob muita desconfiança dos aliados quanto ao comando político montado pela presidente Dilma Rousseff. Na noite de ontem, uma reunião entre Ideli e o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), estabeleceu os parâmetros para um entendimento.

A base quer a prorrogação do prazo para liberação de emendas de orçamentos anteriores, o chamado restos a pagar, de 30 de junho para 31 de dezembro, liberação de 50% das emendas do Orçamento deste ano e um ritmo acelerado para as nomeações dos indicados pelos partidos no segundo e terceiro escalões do governo. Pela regra em vigor, os restos a pagar não processados até 30 de junho vão perder a validade.

Entre os aliados, o clima é de insegurança, e a expectativa para começar a reverter esse sentimento é a velocidade que o governo imprimir na apresentação de resultados práticos. Interlocutores governistas informaram que Vaccarezza fez um alerta à ministra na reunião de ontem à noite: se não houver uma solução rapidamente, a base não votará o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), a lei que fixa as diretrizes para a elaboração do Orçamento.

Para deputados da base, além desses gestos e resultados concretos, a ministra terá de mostrar o lado conciliador que ela diz ter junto com o seu estilo duro. “Ela não tem um perfil de negociadora”, afirmou nesta manhã um aliado do governo, resumindo a opinião da base na Câmara.

O encontro de Ideli com os líderes da base na Câmara ainda não está marcado. A ministra participa hoje do almoço da presidente Dilma Rousseff com a bancada de senadores do PR, no Palácio da Alvorada. Esse encontro foi adiado pela presidente na semana passada por causa da crise que levou à substituição de Antonio Palocci por Gleisi Hoffmann (PT-PR) na chefia da Casa Civil e a troca do ministro Luiz Sérgio por Ideli Salvatti.

À tarde, a ministra tem encontros separados com o vice-presidente, Michel Temer (PMDB-SP), com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e com o líder do governo na Casa, Romero Jucá (PMDB-RR).