O Ministério Público Federal (MPF) incluiu na noite desta quinta-feira, 11, o nome do presidente da Camargo Corrêa, Dalton Santos Avancini, na lista de denunciados da Operação Lava Jato, que havia sido divulgada à tarde pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e pelo procurador da República Deltan Dallagnol.

Com isso, o número de suspeitos de participar do esquema de propina na Petrobras denunciados chega a 36, de acordo com o MPF. “A Petrobras é vítima deste esquema”, disse, mais cedo, Dallagnol, ao lado de Janot. O MPF ofereceu denúncia por corrupção, formação de organização criminosa e lavagem de dinheiro. Dallagnol dividiu o esquema em três núcleos: empreiteiras, funcionários públicos e operadores financeiros, a quem chamou de “profissionais em lavagem de dinheiro”.