O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MP-ES) pediu ontem o afastamento provisório do prefeito de Fundão (ES), Marcos Fernando Moraes. Ele é suspeito de integrar um esquema de corrupção nas áreas de coleta de lixo, transporte escolar e interestadual e locação de veículo.

A suspeita teve início no decorrer das investigações da Operação Tsunami, realizada em maio deste ano. A ação foi deflagrada com o intuito de colher provas de irregularidades na prefeitura. A investigação mostrou que o bando responsável pelo desvio de verbas dos cofre púbicos é composto por empresários e ex-servidores.

No documento, o MP-ES afirma que “manter o prefeito no cargo é o mesmo que deixar o município na administração de pessoas que estão claramente interessadas em usurpar o erário municipal.”