O Ministério Público do Distrito Federal denunciou ontem à Justiça o ex-governador Joaquim Roriz (PSC), que lidera as pesquisas para o governo local. Os promotores acusam Roriz de improbidade administrativa.

O Ministério Público concluiu que o então presidente do BRB, Tarcísio Franklin, aliado de Roriz, autorizou o desconto irregular de um cheque do Banco do Brasil (BB) no valor de R$ 2,2 milhões emitido em benefício de Nenê Constantino.

O cheque foi sacado na tesouraria do BRB, sem garantia de que tinha fundos e sem que a operação fosse comunicada ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras. O dinheiro foi dividido entre Joaquim Roriz e o empresário Nenê Constantino, conforme apontaram escutas telefônicas da Operação Aquarela, da Polícia Civil, em 2007.

Na ocasião, Roriz, então senador pelo PMDB, explicou que o dinheiro que recebera, no valor de R$ 270 mil, era um empréstimo para a compra de uma bezerra. A versão não convenceu e Roriz foi obrigado a renunciar para não perder o mandato.