O Ministério Público do Paraná causou surpresa ao emitir um parecer no qual afirma não haver qualquer ilegalidade na permanência de Maurício Requião, irmão do governador Roberto Requião, como conselheiro do Tribunal de Contas do Estado.

A ação popular, proposta pelo advogado Cid Campelo Filho, questiona a validade da escolha de Maurício Requião como conselheiro por ferir a súmula 13 do STF, que trata do nepotismo.

A manifestação do MP, assinada pelo promotor Luis Eduardo Silveira de Albuquerque, segue para a 4ª Vara de Fazenda Pública. Caso a decisão do juiz Douglas Marcel Peres acompanhe a manifestação do MP, o irmão do governador estará livre para retornar ao Tribunal de Contas do Estado.