O ex-ministro Sergio Moro se inscreveu na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Paraná e obteve a carteira para o exercício da advocacia. Seu futuro escritório será no bairro Bacacheri, em Curitiba.

Ele agora está inscrito com o número 105239 no conselho seccional paranaense, mas só poderá advogar em seu novo escritório no Bacacheri quando acabar a quarentena de sua passagem pelo Ministério da Justiça, em 24 de outubro, quando pediu demissão da pasta por não concordar com as definições a respeito da exoneração de Maurício Leite Valeixo da direção-geral da Polícia Federal.

A possibilidade de Moro exercer a profissão gerava polêmica. Advogados, liderados pelo Grupo Prerrogativas, já tinham anunciado que entrariam com recurso para impugnar a inscrição, alegando que, quando atuou como juiz, ele desrespeitou as prerrogativas dos advogados de forma sistemática.

Eles citam como exemplo os grampos telefônicos instalados em ramais de advogados do ex-presidente Lula e a determinação de gravação de conversas de advogados com clientes nos parlatórios de um presídio.

O ex-ministro classificava o movimento contra a entrada dele na ordem de “revanchismo” similar ao que já tinha atingido o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa.

Em nota, ele disse que suas decisões, “como juiz, foram mantidas, quase integralmente, pelas Cortes recusais, e as que não foram, entendo como parte natural do campo de divergências jurídicas”.