Abatida pelo resultado das eleições presidenciais, a militância tucana reunida no diretório estadual de São Paulo tentava manter o ânimo. Os anúncios de resultados em Estados em que Aécio Neves (PSDB) venceu Dilma Rousseff (PT) eram recebidos com uma rodada de aplausos. A plateia reunida no diretório aplaudiu especialmente os resultados de São Paulo, com gritos de “São Paulo” e “Geraldo”, em referência ao governador reeleito Geraldo Alckmin (PSDB).

A cada fala e aparição no telão do candidato do PT ao governo estadual, Alexandre Padilha, que dá entrevista à TV Bandeirantes, o público gritou hostilidades e vaiou.

Mas a tristeza no diretório é visível. “Eu não me preocupo só com São Paulo, me preocupo com o País inteiro”, disse uma militante aos prantos. Na sequência ela emendou o grito: “Nossa bandeira jamais será vermelha.”

“Bateram tanto em Marina que ela caiu, a mesma coisa fizeram com Aécio. São Paulo fez a sua parte, infelizmente o mesmo não aconteceu em outros Estados. O Brasil saiu perdendo”, lamentou o militante Erik Sanches, empresário e filiado ao PSDB.

Foi montada uma estrutura de coletiva de imprensa para uma possível entrevista de Alckmin, mas não há confirmação de que ela ocorrerá.