A senadora Marina Silva (AC), candidata derrotada do PV à Presidência da República, criticou hoje o comportamento dos presidenciáveis Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) neste segundo turno. Para ela, os candidatos estão desperdiçando “uma grande oportunidade de aprofundar o debate”. “Estão resvalando para o velho embate, o vale-tudo eleitoral. Não temos de ter um olhar só para o negativo”, disse a senadora, após assistir em São Paulo à palestra do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair sobre educação.

Na opinião da senadora, a falta de visão estratégica dos candidatos impede que eles discutam os assuntos que interessam ao País. “O perfil gerencial dos dois não consegue tirá-los da caixinha de ficar discutindo números e tabelas”, avaliou. “Lamentavelmente a educação não está sendo debatida com a profundidade necessária.”

Marina voltou a dizer que o programa do PT foi o que melhor acolheu as propostas de sua candidatura, mas que nada impede que o próximo presidente, seja Dilma ou Serra, aprofunde as sugestões do PV. “Aquele que for eleito ainda pode se comprometer.”

A senadora disse não ter acompanhado o debate de ontem promovido pela Rede Record, mas espera assistir ao último debate da eleição, previsto para sexta-feira na Rede Globo. Marina reclamou que nenhum dos candidatos conseguiu aprender as lições do primeiro turno. “No segundo turno a gente lê o primeiro turno. Acho que não estão fazendo a leitura do primeiro turno. O primeiro turno sinalizou com algo importante: que as pessoas estão cansadas do confronto.”

Palestra

Marina Silva foi uma das convidadas da Universidade Anhembi Morumbi para a palestra do ex-primeiro-ministro britânico. No fim do evento, Marina e o senador Eduardo Suplicy (PT) participaram de um almoço oferecido a Blair pela instituição.

Durante cerca de 30 minutos, Blair relatou sua experiência na reforma do sistema educacional inglês e criticou a desigualdade de oferta de ensino de qualidade. “Nós educamos a elite brilhantemente e ainda temos uma grande parte da população que tem uma educação básica, sem chance de prosperar. Nossa ambição tem de ser educação para todos”, afirmou o ex-primeiro-ministro ao comentar que a educação é um desafio mundial.

Muito aplaudido, Blair afirmou que não é possível haver justiça social sem um grande modelo de educação e ressaltou que a questão é um dos maiores desafios dos países emergentes, como o Brasil. “Nenhum país vai dar certo se não colocar a educação no topo de sua agenda.”