Apesar das ameaças do governador Sérgio Cabral (PMDB) de romper a aliança com a presidente Dilma Rousseff, se o PT insistir em candidatura própria no Rio de Janeiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu “moderação” ao senador Lindbergh Farias, pré-candidato petista ao governo do Estado. A tensão entre o PMDB e o PT do Rio é crescente, mas Lula quer manter a boa relação com Cabral e com o vice-governador Luiz Fernando Pezão, pré-candidato do PMDB.

Os peemedebistas esperam a interferência de Lula para fazer Lindbergh desistir da disputa, mas, no PT, a hipótese é descartada. “Lula tem recomendado que Lindbergh seja moderado no discurso, mas não vai enquadrar o Lindbergh. Muito menos a direção do PT faria isso”, disse nesta quinta o deputado Jorge Bittar (RJ), coordenador do programa de governo de Lindbergh. O senador petista tem feito críticas à administração de Cabral em viagens pelo interior e pela região metropolitana, mas evita responder às queixas de Cabral.

“Esse posicionamento do governador Cabral, essa visão que beira a chantagem, gera constrangimento entre os peemedebistas. Noto que eles estão incomodados, porque muitos parlamentares e prefeitos do PMDB estão alinhados com o governo federal, com a presidente Dilma. Temos apreço e consideração pelo governador, tanto que o apoiamos desde 2006, mas o PMDB não pode decidir sobre candidaturas do PT”, afirmou Bittar.

Depois de reclamar do PT do Rio e de lembrar a amizade que mantém com o tucano Aécio Neves, provável adversário de Dilma em 2014, durante jantar na casa do vice-presidente Michel Temer, na terça-feira, 21, Cabral disse, nesta quinta-feira, que “é esquizofrênico” palanque duplo para Dilma no Rio, mas usou um tom bem mais ameno que no encontro com os companheiros do PMDB.

“Tenho certeza de que vamos chegar a bom termo, que teremos um palanque único para o governo do Estado e um palanque único para presidente da República, porque é esquizofrênico você ter dois palanques. Isso não acaba bem. Como a presidenta Dilma vai vir ao Rio em um palanque de alguém que está fazendo críticas ao meu governo?” , disse Cabral, na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). O governador afirmou que Dilma tem sido “muito parceira” e classificou de “intrigas” as notícias sobre a ameaça de não apoiar a reeleição. “Minha relação com a presidenta é carinho e respeito. O que tenho é a lealdade de dizer o que penso”, afirmou o governador.

No jantar na casa Temer, Cabral, que foi casado com uma prima de Aécio, lembrou que seus filhos mais velhos têm o sobrenome Neves e que mantém a amizade com o tucano. Há duas semanas, Cabral esteve com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Segundo aliados do governador, o diálogo com os tucanos é “natural”, já que Cabral foi filiado ao PSDB. Ontem, Cabral disse que, apesar da amizade com Aécio, eles estão em campos opostos desde 2006, quando foi eleito governador. “Mesmo em palanques diferentes, sempre nos demos muito bem”, afirmou Cabral.