Foto: Walter Alves/O Estado

João Ivo: vai recorrer de decisão considerada sem sustentação.

O ex-prefeito de Maringá e candidato a deputado federal João Ivo Caleffi (PT) e o ex-presidente do Serviço Autárquico de Obras e Pavimentação (Saop), Valdécio Barbosa, tiveram seus direitos políticos suspensos por três anos pela 2.ª Vara Cível de Maringá. Caleffi afirmou que vai recorrer da sentença junto ao Tribunal de Justiça.

O juiz Airton Vargas da Silva acatou na semana passada, parcialmente, a denúncia do Ministério Público, de que Caleffi e Barbosa não teriam repassado o índice de 8% em descontos da folha de pagamento de servidores municipais ao Fundo de Saúde da Caixa de Assistência, Aposentadoria e Pensão (Capsema), em setembro e outubro de 2004. De acordo com o MP, a prefeitura e o Saop haviam retido também o repasse de 14% para o Fundo de Previdência da Capsema, no mesmo bimestre. A justiça acolheu somente a primeira acusação e decidiu que os réus, além da suspensão dos direitos políticos, estão proibidos de fazer contrato com o poder público.

Segundo Caleffi, a decisão não afeta sua candidatura, uma vez que só seria suspensa se houvesse sentença com trânsito julgado. ?A decisão tomada não tem sustentação jurídica. Usei o dinheiro para cobrir despesas da prefeitura, mas tudo foi ressarcido. O que aconteceu foi quase um empréstimo. A decisão é em primeira instância e vou recorrer.? Caleffi informou que Barbosa encontra-se atualmente na Espanha, trabalhando como operário da construção civil.

Jaguariaíva

A aprovação unânime do relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada na Câmara Municipal de Jaguariaíva, que apontou indícios de irregularidades na aquisição de cinco ônibus para transporte escolar, pode resultar em processo de cassação do prefeito Paulo Nanni (PSDB). Assim informou ontem o relator da CPI, vereador Braulino Ribas (PPS). Segundo ele, integrantes do PT pretendem entrar com pedido de instalação de comissão processante contra Nanni na próxima semana.

Londrina

Um mandado de segurança foi movido na Justiça de Londrina contra o prefeito da cidade, Nedson Micheleti (PT), pedindo o seu afastamento do cargo. A medida foi tomada por uma das empresas que participou do pregão eletrônico lançado pela prefeitura para contratação de serviços de merenda escolar. A empresa moveu a ação depois de o pregão ser suspenso pela Justiça e o prefeito decidir firmar contrato emergencial para não interromper a entrega de merenda nas escolas. A prefeitura informou que ainda não foi notificada, mas que não cometeu nenhuma irregularidade.