José Dirceu e Eduardo Cunha estão dividindo uma cela no Complexo Médico Penal (CMP), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

O ex-ministro petista e o ex-presidente da Câmara dos Deputados, tido como um dos grandes responsáveis pelo impeachment de Dilma Rousseff, estão alocados com mais quatro presos, entre eles o ex-senador Gim Argello e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari, de acordo com informações da jornalista Monica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

Os 38 presos da Lava Jato ocupam uma ala do hospital penitenciário. Dormem em colchões no chão e os objetos pessoais ficam em cima de caixotes. Em cada cela há um banheiro com um chuveiro e um vaso sanitário.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Cunha é ‘líder’ entre os presos

Preso desde dezembro de 2016, o ex-presidente da Câmara dos Deputados é considerado uma espécie de líder dentro da ala que abriga os presos do colarinho-branco.

Com o pedido de transferência de Cunha para o Rio de Janeiro, a possível liderança estaria sendo disputada por Vaccari e Paulo Preto, ex-diretor da Dersa, segundo a Folha.

+Leia também: Desabamento de talude de Barragem mineira é ‘inevitável’, diz secretário

Cotidiano na prisão

Em 2018, José Dirceu concedeu entrevista a Mônica Bergamo em que falou sobre seu dia-a-dia no CMP. Ele já esteve preso entre 2015 e 2017 na unidade.

O ex-ministro falou sobre a rotina de limpeza compartilhada com Cunha e como levantava o ânimo de outros presos para que não recebessem mal as famílias nos dias de visita.

+Leia também: Processo de cassação de vereadora de Curitiba é arquivado pela Câmara

Retorno à prisão

O ex-ministro da Casa Civil do governo Lula voltou à prisão após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) ter rejeitado recurso apresentado pela defesa, referente à segunda condenação. A desembargadora federal Claúdia Cristina Cristofani, relatora do caso, foi quem determinou a execução imediata da pena.

Com a decisão do TRF-4, o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Luiz Antonio Bonat, responsável pelos processos da Lava Jato, determinou que o ex-ministro deveria se apresentar até às 16h da última sexta (17), na Polícia Federal em Curitiba.

Dirceu chegou perto das 22h da sexta, depois de viajar de carro de Brasília até a capital paranaense.

Faculdade fecha em Curitiba e ‘bomba’ fica pra ex-alunos