“Estou trabalhando para ser um grande diretor da Itaipu Binacional.” A afirmação é de Jorge Samek, que ocupa o cargo desde 2003, quando questionado sobre uma possível candidatura dele para o governo do Estado em 2010. “Sempre sonho em fazer uma grande contribuição para o Estado, para o País. Mas se me perguntarem: ‘Você está trabalhando para ser candidato a governador do Paraná?’, eu vou dizer com toda a sinceridade que não”, comentou Samek.

O diretor de Itaipu disse que está muito satisfeito na atividade que exerce, dando contribuição para o desenvolvimento do Estado, do País e também da América Latina.

“Eu tenho feito muita política, mas política energética. Estou com essa obrigação e quero cumprir bem esta função”, explicou Samek. Ele esteve ontem em Curitiba, onde participou da 1ª Jornada de Assuntos Estratégicos, promovida pela Escola de Gestão Pública do Tribunal de Contas do Paraná.

Samek também avaliou o desempenho do Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições municipais. Para ele, apesar da derrota no primeiro turno da candidata Gleisi Hoffmann para a prefeitura de Curitiba, o PT se firmou como uma força política consistente na capital paranaense. O reflexo disso foi o resultado do partido nos três últimos pleitos em Curitiba.

“Foi uma campanha muito boa, uma campanha de idéias. O PT tinha uma candidata muito preparada. O prefeito Beto Richa vivia um bom momento e a população mostrou que estava satisfeita com o seu desempenho. A grande vitoriosa foi a democracia”, opinou.

Revisão

A revisão do Tratado de Itaipu foi um dos temas centrais da campanha do presidente Fernando Lugo, eleito neste ano no Paraguai, país com o qual o Brasil divide a administração da usina hidrelétrica de Itaipu.

Há pelo menos 60 dias, a pedido do vizinho País, estão sendo realizados encontros, negociações e esclarecimentos sobre a revisão das tarifas que o Brasil paga ao Paraguai pela energia elétrica excedente no país vizinho.

“Há o interesse total, por parte do Brasil, do desenvolvimento do Paraguai. Agora, para se produzir energia, tem que fazer muito investimento. Estamos em um processo de produção e de pagamento desses empréstimos que foram feitos. Mas, ao mesmo tempo, além de dotar os dois países de energia, (a usina) traz benefícios, através dos royalties, da cessão de energia, investimento em responsabilidade socioambiental. Tudo isto está sendo discutido e eu tenho certeza que vamos chegar a um bom termo sem ter que elevar o preço da tarifa praticada em Itaipu”, assegurou Samek.

De acordo com ele, o valor da energia da usina é o praticado no mercado e não há a necessidade de mudar algo que está dando certo. A Itaipu já distribuiu US$ 8,5 bilhões em royalties e cessão de energia, sendo US$ 4,5 bilhões para o Paraguai.