Gustavo e Greca: nova tentativa.

Os deputados Gustavo Fruet e Rafael Greca seguiram ontem para Foz do Iguaçu, onde irão defender a candidatura própria do PMDB à Prefeitura de Curitiba durante encontro que o partido abriu ontem e que será encerrado hoje. Greca e Fruet pretendem aproveitar a posição da executiva nacional, que está orientando todos os diretórios municipais a lançarem seus próprios candidatos, para tentar convencer a parcela do diretório municipal de Curitiba que pretende fechar uma aliança com o PT já no primeiro turno, em torno da candidatura do deputado Ângelo Vanhoni.

Greca insiste que a chance de o PMDB lançar um nome para concorrer à Prefeitura de Curitiba é cada vez mais real e viável: “Exemplo disso é que o nosso líder maior, governador Roberto Requião, afirmou não acreditar nas pesquisas do Ibope, anunciadas recentemente. Isto porque ele também foi vítima das artimanhas dessas pesquisas que tentam nos excluir, estatisticamente, das eleições. Isso é um absurdo”, disse o deputado. Se o índice de rejeição que lhe foi atribuído pelo Ibope (63%) fosse verdadeiro, Greca argumenta que não poderia andar pelas ruas da cidade, “porque apanharia, certamente, de quase todas as pessoas que me abordam”.

Para Gustavo Fruet, os petistas se valem do argumento de que Requião deve a eleição à manifestação de Lula (então o candidato colocado em primeiro lugar para a Presidência da República) a seu favor e que, por isso, o governador deve retribuir apoiando seu candidato agora: “Esquecem que a aliança com o PT foi realizada somente no segundo turno e que, no primeiro, Requião teve que enfrentar o Padre Roque, porque os petistas não abriam mão da candidatura própria. Porque nós temos que aceitar uma aliança com eles já no primeiro turno?”, indaga.

Os deputados são portadores de um manifesto em defesa da candidatura própria contendo mais de três mil assinaturas, inclusive a do presidente nacional do partido, o deputado paulista Michel Temer. O documento será entregue à direção partidária e ao governador Roberto Requião, de quem os deputados esperam conquistar apoio para a convenção de junho.