Reunião visa uma maior intereção entre as esferas estadual, regional e municipal.

O primeiro escalão do governo e os chefes dos núcleos regionais das várias áreas, assim como diretores da Copel e Sanepar no interior do Estado, planejam se isolar por dois dias no próximo final de semana em Faxinal do Céu, o polêmico centro de treinamento da educação criado no governo anterior.

O ?retiro?, que terá a participação do governador Roberto Requião (PMDB), servirá para discutir a implantação de uma ?rede de governo?, ou ?endomarketing? , como definem os idealizadores do projeto, que o vice-governador e secretário da Agricultura, Orlando Pessuti, traduz como a necessidade de fazer fluir a comunicação entre as secretarias, seus núcleos regionais e os representantes do governo nas cidades. E a partir daí, levar as ações de governo ao conhecimento da população.

Um dos defensores do projeto, Pessuti diz que o governo precisa se comunicar e interagir nas suas várias pontas. ?É o que chamamos de transversalidade, ou seja, estabelecer a interação das ações de governo nas esferas estadual, regional e municipal. Às vezes, nós temos um chefe regional da secretaria de Agricultura que fica três meses sem conversar com o chefe do Detran, na mesma cidade, quando o governo está desenvolvendo um programa conjunto entre as duas áreas. Esta é uma situação que precisa ser alterada. Os agentes públicos têm que estar sintonizados para poder interagir com a comunidade?, disse o vice-governador.

Pessuti tem feito a experiência na Secretaria da Agricultura, onde reúne periodicamente os chefes dos núcleos regionais. ?Ou a regional está sintonizada com a ação do governo, ou não tem sentido você ter uma regional numa cidade?, afirmou o vice-governador. Ele cita que há situações em que o governador vai lançar um projeto em uma cidade e os funcionários e diretores das regionais sequer são avisados. ?E esse não é um problema de quem está lá na ponta. Mas da estrutura de cima que falhou ao não comunicar que o governador estaria indo à cidade?, disse.

Para o vice-governador, o início desse processo é uma avaliação crítica do que está funcionando ou deixando a desejar entre as ações de governo. ?Para que a integração possa funcionar, nós temos que avaliar nossos acertos e falhas. E fazer os reparos necessários?, comentou Pessuti, defendendo que chegou a hora de o governo parar e verificar se a proposta aprovada pelas urnas em 2002 está sendo cumprida integralmente.

Progresso

A comunicação interna do governo sempre foi uma das preocupações dos deputados peemedebistas. O vice-presidente estadual do PMDB, deputado Nereu Moura, disse que já houve progressos desde que o governo resolveu divulgar mais suas ações. ?Nós reclamávamos muito antes que o governo tinha muita coisa que a população nem sabia que existia. Hoje, isso já melhorou bastante. Acho que agora a intenção é buscar uma forma de reduzir custos nesta divulgação, fazendo com que a estrutura de governo se articule diretamente com a sociedade fora do sistema tradicional da publicidade oficial?, afirmou Moura.