O governo do Estado e a prefeitura do Rio apresentaram projetos de mobilidade urbana da ordem de R$ 4,3 bilhões à ministra do Planejamento, Miriam Belchior. Nesta segunda-feira, a ministra passa por uma maratona de reuniões com governadores e prefeitos para discutir propostas que possam ser contemplados pelo pacto proposto pela presidente Dilma Rousseff para a área, cujos investimentos anunciados somam R$ 50 bilhões. Miriam esteve reunida no início desta tarde com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, e com o governador do Estado, Sérgio Cabral.

Cabral apresentou projetos no valor R$ 2 bilhões. O recurso seria usado, segundo o governador, para um projeto de monotrilho entre Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. Cabral disse que, com as obras já em execução de mobilidade urbana, além do monotrilho ligando essas três cidades, seria possível chegar a um cenário em que 70% da população da área metropolitana do Rio teria acesso a transporte de alta capacidade – essa proporção hoje, segundo Cabral, é de cerca de 20%.

Paes, por sua vez, pediu R$ 2,3 bilhões para duas obras de Bus Rapid Transit (BRTs), corredores exclusivos para ônibus. A primeira delas é a segunda fase do BRT Trans-Brasil, que ligaria Deodoro a Santa Cruz e, o segundo, a chamada ligação B, que cruza a zona Oeste a Campo Grande.

O prefeito do Rio disse também que a disparidade com os pleitos de São Paulo, que somaram mais de R$ 17 bilhões, não indicam que o Rio seja “menos pidão que São Paulo”. “Não é que a gente pede menos, mas a cidade do Rio de Janeiro já está investindo fortemente em mobilidade, com 150 BRTs e 28 km de VLT todos em obras”, disse o prefeito.

Ainda nesta segunda, a ministra do Planejamento receberá também o governador da Bahia, Jacques Wagner, e o prefeito de Salvador, Antonio Carlos Magalhães Neto.