O governo vai mesmo mudar o comando da Previ, o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil e deve anunciar, nos próximos dias, o substituto de Ricardo Flores. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, sondou nesta semana o vice-presidente de Varejo do Banco do Brasil, Dan Conrado, para o cargo e nesta quinta submeteu o nome à presidente Dilma Rousseff.

Aliados de Flores tentaram convencer Dilma a mantê-lo na Previ, mas ela avisou que a briga do petista com o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, chegou a proporções incontroláveis. “Não adianta. Esse assunto já está decidido”, afirmou a presidente, segundo relato de dois interlocutores.

Dilma quer blindar o Banco do Brasil e a Previ nesse momento de crise financeira internacional e está inclinada a indicar Dan Conrado para o fundo de pensão. Ele é próximo de Bendine e de Mantega.

No mês passado, Dilma determinou a saída do vice-presidente da área de Governo do Banco do Brasil, Ricardo Oliveira, e indicou para a sua vaga o ex-governador e ex-senador baiano César Borges (PR).

A disputa de poder entre as cúpulas da Previ e do BB, ambas controladas por petistas, arrasta-se desde o ano passado, sem solução. Na tentativa de conquistarem mais espaço, os dois grupos já fizeram várias intrigas, que irritaram Dilma, e chegaram a “vazar” notas sobre desentendimentos entre Mantega e o secretário-executivo da Fazenda, Nelson Barbosa, logo depois do desgate envolvendo a demissão do presidente da Casa da Moeda, Luiz Felipe Denucci.