O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, reiterou hoje o apoio da presidente Dilma Rousseff ao ministro da Agricultura, Wagner Rossi, e afastou a possibilidade de demissão do atual titular da pasta, alvo nas últimas semanas de denúncias de irregularidades. Carvalho informou que conversou hoje com Rossi e relatou que o ministro da Agricultura está “sereno” e “tranquilo”. “Ele é ministro do governo da presidente Dilma Rousseff e assim vai seguir enquanto ele avaliar que há condições para seguir”, afirmou, após participar do debate “Governança na Nova Economia”, na Conferência Ethos 2011, na capital paulista. “Ele tem todo o nosso apoio para seguir adiante.”

Em evento, em Brasília, a presidente defendeu hoje publicamente Rossi e afirmou que ele tem tomado as medidas necessárias para contornar a crise no Ministério da Agricultura. No fim de semana, o até então secretário-executivo da pasta, Milton Ortolan, pediu demissão após a publicação de reportagem de que um lobista atuava no ministério, tendo influência sobre contratos e licitações. A oposição vem nos últimos dias cobrando da presidente demissões no Ministério da Agricultura, assim como foram realizadas no Ministério dos Transportes, também alvo de denúncias de corrupção.

O ministro-chefe da Secretaria-Geral lembrou hoje que Rossi já conversou com a presidente e ela lhe deu “prestígio” e “sustentação” para fazer as investigações que forem necessárias dentro da pasta. “O ministro foi à Câmara dos Deputados e agora vai ao Senado Federal. Ele fez as demissões que achava necessárias. O ministro conta com todo o apoio da presidente Dilma Rousseff”, afirmou. Carvalho destacou que a presidente tem tratado o Ministério da Agricultura com um “padrão semelhante” ao adotado no Ministério dos Transportes. “Eu quero lembrar sempre que quem pediu a demissão do cargo foi o Alfredo Nascimento”, explicou, referindo-se ao ex-titular do Ministério dos Transportes. “Nascimento recebeu a confiança da presidente, mas fez a avaliação de que não tinha condições de ficar à frente daquela pasta.”

Em sete meses de governo federal, já deixaram a Esplanada dos Ministérios três ministros: Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes) e Nelson Jobim (Defesa). Carvalho defendeu a equipe ministerial e ressaltou que o governo federal não tem “nenhum prazer” em realizar as demissões. “Nós não temos em nenhum prazer de demitir ministro e, até que provem o contrário, eles são competentes, sérios e honestos”, afirmou.