Integrantes da Executiva Nacional do PMDB decidiram na noite desta terça-feira postergar os mandatos da cúpula da legenda no âmbito municipal, estadual e nacional por mais um ano. O encontro ocorreu na presidência da legenda em Brasília e não contou com a presença do vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer.

O mandato dos integrantes das executivas municipais venceram no último mês de setembro e das estaduais em outubro. O mandato da Executiva Nacional venceria apenas em março, mas também entrou no bojo da discussão de hoje. Na reunião, segundo peemedebistas ouvidos pelo Broadcast Político não entrou em discussão o tema da reforma ministerial.

Ausente do encontro de hoje, Temer se reuniu ontem com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, para tentar avançar nas negociações sobre os ministérios, que a legenda deverá ocupar no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

De acordo com peemedebistas, Temer chegou a abordar a questão com a petista no almoço de confraternização realizado hoje com os Oficiais-Generais das Forças Armadas em Brasília. Dilma teria dito, entretanto, que uma definição seria tomada apenas amanhã, após ela retornar de viagem da Argentina, onde participa de participa da 47ª Cúpula Presidencial do Mercosul.

Atualmente, o PMDB comanda o ministério de Minas e Energia, Previdência, Agricultura, Turismo e Aviação Civil. O partido tenta emplacar um nome para o comando do ministério da Integração, mas encontra resistência do Palácio do Planalto. Como plano B, uma das opções que estaria em negociação no lugar da pasta de Integração, é a indicação para a Secretaria de Portos.