A Presidência da República confirmou nesta quinta­-feira, 19, o nome de Pedro Parente como o novo presidente da Petrobrás. Parente aceitou o cargo em reunião com o presidente em exercício Michel Temer (PMDB) e substituirá Aldemir Bendine.

Ex­-presidente do Banco do Brasil, Bendine assumiu o cargo em fevereiro do ano passado em meio ao escândalo de corrupção envolvendo a estatal ­investigada na Operação Lava Jato ­como uma alternativa para recuperar a imagem da companhia. Bendine já
havia sido avisado por Temer que deixaria o cargo na semana passada e deve participar de um processo de transição com Parente.

O novo presidente da Petrobrás é atualmente presidente do conselho de administração da BM&F Bovespa. Ele iniciou a carreira no setor público no Banco do Brasil, em 1971. Dois anos depois, foi transferido para o Banco Central (BC). Parente foi ainda consultor do Fundo Monetário Internacional (FMI) e de instituições públicas brasileiras, bem como da Assembleia Nacional Constituinte, em 1988.

Ele foi ministro durante todo o segundo mandato do ex­-presidente Fernando Henrique Cardoso (1999­-2002). No governo FHC, atuou como chefe da Casa Civil até 2001, quando assumiu o cargo batizado de “ministro do apagão”, para coordenar a equipe temporária que as cuidou das ações governo contra a crise de energia que atingiu o País naquele ano.

Já como ministro do Planejamento, Parente coordenou ainda, em 2002, a equipe de Transição entre o governo FHC e o do ex­-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Após deixar o governo, de 2003 até 2009 foi vice­presidente Executivo (COO) do Grupo RBS. De janeiro de 2010 a abril de 2014 presidiu a Bunge Brasil e ainda o conselho da União da Indústria de Cana­de­açúcar (Unica) entre 2011 e 2014.

Além de ser presidente do conselho da BM&F Bovespa, Parente é membro dos conselhos da SBR­Global e do Grupo ABC, do qual é presidente, além de ser sócio­diretor do grupo de empresas Prada de consultoria e assessoria financeira.