O ex-governador Roberto Requião (PMDB) foi novamente multado por descumprir decisão judicial que o impede de utilizar a Rádio e Televisão Educativa para autopromoção ou ataques a adversários ou instituições. A Justiça Federal de Curitiba determinou, ontem, multa de R$ 200 mil ao ex-governador pelas declarações na “Escola de Governo” do dia 23 de fevereiro, quando Requião usou a reunião transmitida ao vivo pela TV estatal para acusar o Ministro do Planejamento, Paulo Bernardo (PT) de propor obra superfaturada ao governo do Paraná.

Naquela edição da “escolinha” Requião disse que foi procurado pelo ministro para tratar da construção de um ramal ferroviário no interior do Estado. Requião afirmou que o ministro havia proposto um contrato de R$ 500 milhões para a obra que, segundo o governador, teria sido orçada em R$ 150 milhões pelo governo do Estado. A declaração foi dada em resposta à afirmação de Paulo Bernardo de que faltava empenho do governo estadual para atrair recursos e obras federais ao Paraná. “Esse tipo de esforço eu realmente não faço. Nossas parcerias com o governo federal são para projetos sérios e honestos e não para agenciar repasses para objetivos escusos”, disse Requião.

Bernardo, que está movendo ação por danos morais contra Requião, protocolou denúncia no Ministério Público Federal, que pediu a aplicação de nova multa. Essa é a sexta multa aplicada pela Justiça Federal a Requião desde que, em janeiro de 2007, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região proibiu o uso político da TV estatal, prevendo multa de R$ 50 mil pela desobediência da decisão e R$ 200 mil em caso de reincidência. Com mais essa condenação, Requião já soma uma dívida de R$ 1,05 milhão em multas com a Justiça Federal. Pelo twitter, Requião disse ter sido multado por “defender a decência e o erário do meu estado”, e questionou: “a justiça a serviço do crime?”.