Pré-candidata do PMDB à Prefeitura de São Paulo em 2016, a senadora Marta Suplicy cobra do secretário de Educação da capital, Gabriel Chalita, que ele “torne clara” a sua posição sobre a campanha do ano que vem. Aliado do prefeito, Fernando Haddad (PT), Chalita, que é presidente do partido na capital, defende que o PMDB apoie a reeleição do petista.

Aliados de Marta temem que a permanência da sigla no governo, onde comanda quatro secretarias, possa comprometer o discurso oposicionista da senadora. “Estou esperando que ele (Chalita) torne clara sua posição. Está mais que na hora”, disse a senadora ao jornal “O Estado de S. Paulo”.

Segundo Marta, o vice presidente Michel Temer, que preside o PMDB nacional, foi “muito claro” ao dizer que a legenda terá candidato próprio “em 2016 e 2018”. “O Chalita estando no governo, fica difícil ele se manter como candidato”, diz a ex-prefeita.

Periferia

Em pesquisa divulgada no começo de novembro pelo Datafolha, Marta apareceu em segundo lugar, com 13% das intenções de voto, em situação de empate com o apresentador Datena (PP). “Fiquei satisfeita com a pesquisa. Os números me colocam em um patamar confortável. A mudança partidária foi bem-vinda para o meu eleitorado. Muita gente que não votava em mim por ser do PT agora diz que votará.”