A melhora nos indicadores de aprovação da presidente Dilma Rousseff (PT), segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quarta-feira, 17, abre a possibilidade de a presidente fazer com tranquilidade mudanças na diretoria da Petrobras e eventualmente em outras áreas para o segundo mandato. A avaliação é do cientista político e professor da Fundação Getulio Vargas Fernando Abrucio. “Ela tem que aproveitar esse otimismo inicial para fazer essas mudanças”, disse ao Broadcast Político.

Os indicadores melhores, explica Abrucio, são uma tendência natural após o período eleitoral. “Há uma esperança e um otimismo que são normais após uma eleição”, avaliou. Para ele, o resultado mostra também que as denúncias do escândalo da Petrobras não têm atingido a imagem da presidente para a população em geral. “A história da Petrobras, no fundo, é paradoxal. De um lado desgasta o governo, especialmente entre economistas e formadores de opinião, de outro reforça a imagem de faxina”, disse o professor.

Com relação à guinada ortodoxa de Dilma na economia para o segundo mandato, com indicação de Joaquim Levy para a Fazenda, Abrucio pondera que é um fator de pouco apelo popular e que deve ter tido pouca influência no levantamento encomendado pela CNI.

O levantamento CNI/Ibope divulgado nesta manhã mostrou que a aprovação à maneira de governar da presidente passou de 48% para 52% entre setembro e dezembro, ao passo que a desaprovação passou de 46% para 41% no mesmo intervalo. A confiança no governo Dilma também cresceu, passando de 45% para 51%. O governo petista foi avaliado como ótimo ou bom por 40% dos entrevistados, ante 38% em setembro. A avaliação regular do governo Dilma oscilou de 32% para 33% e a ruim ou péssima oscilou de 27% para 28%.