O dono da empresa RW Engenharia, José Ricardo de Oliveira, confirmou na manhã de hoje que participou do esquema de corrupção envolvendo o pagamento de propina com verbas destinadas à reconstrução de Teresópolis (RJ) após os temporais de janeiro deste ano. Ele depôs na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro que investiga os responsáveis pela tragédia causada pela chuva na Região Serrana.

O empresário disse que participou de uma reunião na Secretaria de Planejamento da cidade, na segunda quinzena de janeiro, quando foi discutida a elevação da propina paga por empresas de 15% para 50%. Ele afirmou que, por não aceitar o novo porcentual, deixou de receber do município, e então decidiu denunciar o esquema ao Ministério Público Federal (MPF).

“No caso de Teresópolis, já existem inquéritos no MPF e também no Ministério Público do Estado. Vamos transcrever os depoimentos de hoje e encaminhar às duas instituições. Nos próximos dias, a CPI ouvirá pessoas ligadas a Nova Friburgo (também na Região Serrana)”, disse o relator, deputado Nilton Salomão (PT).

No depoimento, o dono da RW Engenharia citou outra empresa, a Vital Engenharia. O gerente jurídico da Vital, Cláudio Pontual, que também depôs na CPI, negou todas as acusações e se comprometeu a enviar cópia dos contratos, com valor, prazo e objeto do serviço para que os parlamentares possam fazer uma análise dos documentos.