Foto: Aliocha Maurício/O Estado

Pessuti: deixando a Agricultura.

O governador Roberto Requião (PMDB) fez ontem uma das suas últimas reformas da equipe neste mandato. Dezenove auxiliares de Requião deixaram seus cargos de primeiro e segundo escalões do governo para disputar as eleições de outubro. Apenas um, o vice-governador Orlando Pessuti, está indicado para o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas. Nilton Pohl Ribas já tomou posse ontem, durante a despedida do vice-governador da Secretaria da Agricultura. Entre os demais, doze serão candidatos à Assembléia Legislativa e seis disputarão uma cadeira na Câmara Federal.

A nova equipe de Requião tem um perfil técnico e foi escolhida entre diretores gerais dos ex-secretários. As soluções domésticas foram a saída para não interromper os programas e ações já em andamento nas secretarias e não haveria tempo para novas experiências já que faltam nove meses para encerrar o governo.

Ontem, o Palácio Iguaçu anunciou os substitutos dos secretários e diretores de autarquias e estatais que se afastaram, no último dia do prazo estabelecido pela Justiça Eleitoral. Apenas a Secretaria Especial de Assuntos Metropolitanos ficou sem titular. O governo estuda incorporar o órgão à Secretaria de Desenvolvimento Urbano.

O ex-secretário Edson Strapasson, assim como Caíto Quintana e Vanderlei Iensen retomam suas cadeiras na Assembléia Legislativa. Quintana será substituído pelo conselheiro aposentado do Tribunal de Contas, Rafael Iatauro, e no lugar de Iensen, assume o subchefe de gabinete, Mário Bacellar. Iensen, Quintana e Strapasson serão candidatos à reeleição para deputado estadual. Na volta à Assembléia, eles desalojam os suplentes Antônio Anibelli, Ademir Bier e César Seleme que estavam exercendo o mandato.

Outros dois secretários pediram afastamento para concorrer à Assembléia Legislativa. Waldir Pugliesi e Padre Roque Zimmermann. Com a saída de Pugliesi, a Secretaria de Transportes será comandada pelo diretor-geral do DER (Rogério Tizzot). No lugar de Zimmermann entra o diretor-geral da pasta, Emerson Nerone. Outro que tenta uma vaga na Assembléia é Luiz Cláudio Romanelli, que saiu da Cohapar, onde entrou Rosangela Kosak, diretora do órgão. Péricles de Mello deixa a diretoria administrativa da Sanepar, para também disputar vaga na Assembléia Legislativa.

Câmara para Brasília

Entre os candidatos a deputado federal estão Reinhold Stephanes, que troca a Secretaria de Planejamento também por uma candidatura à reeleição como deputado federal. Em seu lugar fica o diretor da Secretaria da Fazenda, Nestor Bueno. Stephanes reassume o mandato e sai o suplente Cláudio Rorato.

Na Secretaria de Ensino Superior, Ciência e Tecnologia, a ex-reitora da Universidade Estadual de Londrina, Lygia Pupatto, assume o lugar de Aldair Rizzi, que também está na chapa de candidatos a deputado federal do PMDB. Assim como Luiz Eduardo Cheida, que deixa a Secretaria do Meio Ambiente. A pasta será acumulada pelo diretor do Instituto Ambiental do Paraná, Raska Rodrigues.

Ainda na lista de candidatos à Câmara estão Marcelo Almeida, que será sucedido pelo coronel Davi Pancotti no Detran. Jorge Demiate deixa a Paraná Turismo para integrar a lista de candidatos a deputado federal. Na empresa, o cargo será ocupado por Herculano Lisboa. Ricardo Gomyde também deixou o cargo de diretor da Paraná Esporte para concorrer à Câmara dos Deputados. Na Parana Esportes, o novo diretor é Milton Alves.

Deixaram ainda os cargos para concorrer a deputado estadual Algaci Túlio (Procon), Eduardo Baggio (Claspar), Gilberto Martins (Instituto de Saúde do Paraná), Leonaldo Paranhos (Ipem) e Nitis Jacon (Teatro Guaíra). A secretária de Cultura, Vera Mussi, vai acumular a presidência da Fundação Teatro Guaíra; e a médica Maria Célia Barbosa Fabrício de Melo assume a diretoria de Serviços de Saúde do Instituto de Saúde do Paraná. O governo ainda não tem substitutos para a Claspar (Empresa Paranaense de Classificação de Produtos), a coordenadoria do Procon e para o Ipem.