Foto: Anderson Tozato

José Dirceu disse que o segredo para o PT eleger o sucessor de Lula é uma aliança com o PMDB, em 2010.

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT) disse, ontem, que os resultados das eleições municipais de outubro servirão de parâmetro para a sucessão presidencial de 2010, quando o PT tentará fazer o sucessor do presidente Lula. José Dirceu esteve em Curitiba, onde palestrou aos filiados do PT do Paraná sobre a atual conjuntura política brasileira.

Em entrevista coletiva que antecedeu a palestra, Dirceu disse acreditar que o PT conseguirá aumentar o número de prefeitos e vereadores em municípios importantes, para ter uma base forte nas eleições de 2010. Ele acredita numa polarização entre PT e PSDB na próxima disputa presidencial, mas vê grandes chances de o governo Lula eleger seu sucessor. ?O segredo para a eleição do sucessor de Lula será a aliança PT-PMDB. Com o PSDB dividido (entre Aécio Neves e José Serra), vejo grandes chances de ganharmos as eleições se estivermos aliados ao maior partido do país?, disse Dirceu.

Como nomes para 2010, Dirceu disse aprovar a opção inicial por sua substituta na Casa Civil, Dilma Rousseff, mas revelou que o partido tem outras opções que poderão ser lançadas conforme o cenário no ano do pleito: Tarso Genro, Patrus Ananias, Jacques Wágner e Eduardo Suplicy.

Cassado de seu mandato na Câmara Federal por denúncias de envolvimento no escândalo do mensalão e inelegível até 2015, Dirceu disse que continua atuando politicamente, na militância do PT, mas de forma mais discreta. ?Não tenho mandato e nem cargo no PT, assim posso dedicar-me a minha vida pessoal, meus trabalhos de consultoria e minha defesa no processo em que sou réu, no Supremo Tribunal Federal (STF)?, revelou.

Sobre seu processo, o antigo homem forte do governo Lula disse estar ?sereno e seguro? quanto à inocência. ?Se for um julgamento técnico, com base na Constituição, serei inocentado. Se for um julgamento político, acontecerá como ocorreu na Câmara?, disse.

Dirceu também opinou sobre a escolha de Gleisi Hoffmann para candidata do partido em Curitiba. ?É um excelente nome, com experiência de administração em Londrina, na Itaipu e um excelente resultado nas eleições de 2006.? Ele disse não concordar com a tese de que o prefeito Beto Richa (PSDB) é invencível e já deu uma alfinetada em tom de campanha. ?Com todos os problemas de trânsito e violência que vi nesses dois dias em Curitiba, acredito que teremos um bom debate aqui?, declarou.

O presidente estadual do PSDB, Valdir Rossoni, respondeu às críticas de Dirceu. ?Ele não é a pessoa moralmente avalizada para fazer críticas à administração de Curitiba. Sobre os problemas de violência, ele pode perguntar a seu companheiro Requião. Sobre outros assuntos, esperamos encontrá-lo para debater nos palanques?, disse.