A presidente Dilma Rousseff comandou nesta quarta uma operação para desidratar a crise envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Um script bem encadeado, que mobilizou integrantes dos Três Poderes, foi posto em ação para neutralizar a escalada de declarações.

Nesta quarta, o Planalto divulgou nota contestando reportagem do jornal O Estado de S. Paulo sobre o assunto: “A Presidência da República informa que são no todo falsas as informações contidas na reportagem que, em uma de suas edições, apareceu com o título ‘Para Dilma, há risco de crise institucional’, publicada hoje (quarta-feira) no diário O Estado de S. Paulo”. A Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República afirmou que no encontro entre a presidente Dilma Rousseff e o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ayres Britto, foi feito apenas o convite para que ele compareça à Rio+20 e discutidas questões administrativas dos dois poderes.

Também em nota, o jornal manteve as informações: “O Estado está seguro da apuração que fez e mantém a informação publicada sobre a preocupação do governo com o episódio e seu potencial de risco político, a despeito do desmentido oficial. A matéria publicada pelo Estado é fruto de apuração junto a fontes credenciadas do governo e desenvolvida desde a divulgação do teor da conversa entre o ex-presidente Lula e o ministro Gilmar Mendes. Segundo essas fontes, o fato preocupou profundamente a presidente Dilma Rousseff pelo seu potencial de crise. Dentro e fora do Palácio do Planalto é corrente a leitura de que é preciso evitar o envolvimento do governo com o assunto, raiz da orientação presidencial de silêncio sobre o tema”.

Preocupada em não fragilizar Lula, a presidente aproveitou um discurso durante solenidade de entrega da quarta edição do Prêmio Objetivos do Desenvolvimento do Milênio Brasil, no Planalto, para homenagear o ex-presidente.

“Processos e pessoas têm uma ligação íntima, as pessoas nos lugares certos e na hora certa elas mudam os processos e transformam a realidade e por isso queria, de fato, aqui fazer uma homenagem especial ao presidente Lula”, afirmou Dilma, ao final do discurso, sendo interrompida por aplausos do público, que se levantou e gritou “Olê-olê-olê-olá, Lula, Lula”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.