Ficaram para trás os tempos em que as reuniões do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o então presidente argentino Néstor Kirchner eram compostas com uma porção de comentários futebolísticos sobre as relações bilaterais Brasil-Argentina e a política mundial de forma geral.

Esta guinada foi implementada pela presidente Dilma Rousseff que hoje, para quebrar o gelo, logo após ser apresentada formalmente à presidente Cristina Kirchner, teceu comentários sobre a vestimenta das ministras Debora Giorgi, da Indústria, e Nilda Garré, da Segurança (esta última, considerada nos anos 70 uma das beldades da esquerda peronista).

Dilma e Cristina, mulheres de caráter forte, fizeram um entreato leve com a avaliação sobre a vestimenta. Dilma apontou para as duas, enquanto Cristina fazia gestos de apreciar os comentários sobre a moda, assunto da qual a presidente argentina é uma declarada entusiasta.

As metáforas com referências sobre a trave e os chutes de Diego Armando Maradona, Pelé, Ronaldinho e Leonel Messi foram deslocadas pelos comentários sobre moda feminina. Lula era torcedor do Corinthians, enquanto Néstor era fanático do Racing Club, além de serem enfáticos defensores de ambas – e rivais – seleções nacionais.