A presidente Dilma Rousseff, em mensagem alusiva ao dia do Exército, disse que a Força Terrestre “conquistou” e desfruta da “confiança” e do “orgulho” da população brasileira, com sua presença parceira em ações importantes, “sempre segundo os preceitos constitucionais”. Dilma destacou uma segunda vez, em sua mensagem, o fato do Exército agir sempre seguindo o que diz a Constituição, seja “executando operações de garantia da lei e da ordem”, seja nas “missões de paz, nos quatro cantos do mundo”, seja executando “sua missão precípua de defender a Pátria”, “com profissionalismo e seriedade, nos limites de suas funções constitucionais”.

Esta não é a primeira vez que a presidente Dilma faz questão de falar que o Exército sempre trabalha dentro dos preceitos constitucionais. Na mensagem à Força do ano passado, a presidente já havia destacado a parceria do Exército “em variadas atividades e ocasiões”, mas ressalvando que “nossos soldados da Força terrestre têm atuado, de acordo com os preceitos constitucionais”.

Em sua primeira ordem do dia pública como comandante da Força, o general Eduardo Villas Bôas falou quatro vezes em “uma nova Força Terrestre para o mesmo Exército”. Ressaltou, no entanto, que a instituição se mantém “democrática e apartidária”. Segundo o comandante, temos hoje “uma nova Força Terrestre para o mesmo Exército, sempre democrático, apartidário e inteiramente dedicado ao serviço da Nação, desenvolvendo suas atividades em ambiente respeitoso, humano, fraterno, digno, honesto, disciplinado, responsável e solidário”. E emendou: “uma nova Força Terrestre para o mesmo Exército, sempre orgulhoso de sua história e apegado aos valores que o sustentam e lhe dão coesão, com forte senso de responsabilidade social, consciente da necessidade de ir além do que prescreve a destinação tradicional de uma força armada, ciente do papel de provedor de necessidades básicas de populações cuja segurança e até mesmo sobrevivência não encontram alternativas que não as proporcionadas pelo “Braço Forte – Mão Amiga”.

Verde Oliva

Vestida com um blaser verde oliva, cor do Exército, a presidente Dilma passou boa parte da cerimônia conversando com o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, e o ministro da Defesa, Jaques Wagner. Dilma também cumprimentou o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha, e o procurador geral da República, Rodrigo Janot, ambos condecorados com a Ordem do Mérito Militar.

Na sua mensagem, lida por uma militar, a presidente Dilma lembrou que “organizado com base nos princípios de hierarquia e disciplina, nosso Exército sabe cultuar a solidariedade – na caserna também chamada de camaradagem – e a tolerância, valores que estruturam e cimentam as relações sociais nas democracias contemporâneas”.A presidente citou ainda que o Exército, “apto a manter seus valores tradicionais, é uma instituição que entende a necessidade de modernizar-se”, acrescentando que ele “está engajado em grandes projetos que a levarão da era industrial para a do conhecimento, dotando o Brasil de capacidade dissuasória condizente com nossa posição estratégica no cenário internacional”.

Sem coquetel

Por medida de contenção de recursos, o tradicional coquetel que ocorre após as cerimônias de condecoração foi cancelado. Os cumprimentos aos agraciados foi realizado na Concha Acústica. Esta é a primeira vez que a confraternização pós cerimônia não é realizada. Segundo o Exército, a força está “priorizando o emprego dos recursos”.