Antônio Cruz/ABr
Dilma enumerou alguns pactos que pretende cumprir.

A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (24) que a “energia que vem das ruas é maior que qualquer obstáculo”. O discurso da presidente foi feito em reunião com prefeitos e governadores no Palácio do Planalto para tratar de uma série de ações que poderão ser executadas por governos das três esferas (estadual, municipal e federal) para atender à pauta de reivindicações dos protestos que tomam conta das ruas do País.

“A energia que vem das ruas é maior que qualquer obstáculo”, afirmou a presidente, ressaltando que as ruas “querem que a sociedade e não poder econômico esteja em primeiro lugar”.

Dilma destacou a importância de um primeiro pacto pela “estabilidade fiscal” e outro, por uma “ampla e profunda reforma política”, que amplie a “participação popular e os horizontes da cidadania”.

“Esse tema (reforma política) já entrou e sair várias vezes da pauta do País. É necessário que, como entrou e saiu várias vezes, tenhamos a iniciativa de romper o impasse”, afirmou a presidente.

O discurso da presidente foi transmitido pela NBR, mas a reunião é fechada à imprensa. Não foi transmitida a apresentação que seria feita logo depois pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Reforma política e corrupção

A presidente também propôs nesta segunda-feira a realização de um “plebiscito popular que autorize o funcionamento de processo constituinte específico para fazer reforma política”. Segundo Dilma, “o Brasil está maduro para avançar e já deixou claro que não quer ficar parado onde está”.

Dilma defendeu ainda “prioridade ao combate à corrupção de forma ainda mais contundente do que já vem sendo feito em todas as esferas”. Para a presidente, uma iniciativa fundamental para combater a corrupção é que se “crie uma nova legislação que classifique a corrupção dolosa como equivalente a crime hediondo com penas muito mais severas”.

De acordo com a presidente, em todas esferas administrativas e todos os poderes devem se esforçar também para implantar de forma plena a Lei de Acesso à Informação, que dá ao governante mais instrumento de combate à corrupção. “Precisamos agilizar a implantação da Lei de Acesso à Informação”, afirmou Dilma.

Para todos

A presidente também afirmou que o Brasil passou a ser governado para todos. A fala foi feita logo no início de discurso, na abertura de reunião no Palácio do Planalto com presença de governadores e prefeitos. Participam da reunião diversos ministros do governo Dilma.

A reunião foi convocada depois de o País ter enfrentado uma onda de manifestações, que culminou na quinta-feira, 20, com protestos em todo o Brasil. Os protestos levaram mais de um milhão de pessoas às ruas.

Nesse discurso de abertura desta segunda, Dilma disse que o povo quer que mudanças continuem, sem ampliem, ocorram mais rápido. Ressaltou que o povo quer mais cidadania, uma cidadania plena.

“As ruas estão dizendo que o País quer serviços públicos de qualidade”, advertiu. E foi além, lembrando que o povo quer mecanismos mais eficientes de combate à corrupção e uma representação política permeável.