Os dois deputados estaduais candidatos ao cargo de conselheiro do Tribunal de Contas (TC) são investigados pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por improbidade administrativa. Fabio Camargo (PTB) e Plauto Miró (DEM) são suspeitos de contratar funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa do Paraná.

A reportagem da RPCTV obteve documentos que mostram que Plauto Miró teve como funcionário na Alep um motorista da Rádio Clube Pontagrossense. A emissora é de propriedade do próprio deputado. O motorista Zuan Antônio Maier alega que foi contratado pela rádio em 1998, mas só teve sua carteira de trabalho assinada em 2000 pela Assembleia Legislativa.

Plauto Miró negou a irregularidade e afirmou que Maier trabalhou como agente político. “Ele foi funcionário no nosso gabinete parlamentar e exerceu uma função na cidade de Ponta Grossa”, explicou o deputado em entrevista à RPCTV.

O deputado Fábio Camargo é investigado pela contratação do jornalista José Diniz, nomeado em maio de 2012 para um cargo em comissão. O funcionário dá expediente diariamente na Rede CNT, no programa ‘Cidade na TV’, de Fábio Camargo. A reportagem da RCPTV teve acesso ao registro de ponto da emissora e confirmou que Diniz trabalha diariamente na Rede CNT, das 8h da manhã até 5h da tarde.

À reportagem da RPCTV, o jornalista José Diniz disse que trabalha nos bairros como agente político de Fábio Camargo. “Às vezes eu passo, durante o dia, esporadicamente lá (na CNT). Não vejo nenhum mal nisso”, afirmou Diniz. O deputado defendeu o funcionário e reiterou que o jornalista faz atendimento ao povo na Alep, em um escritório no Sítio Cercado e em outros bairros.