O vereador Thiago Ferro (PSDB) subiu à tribuna da Câmara Municipal durante a sessão desta quarta-feira (23) para rebater as denúncias contra ele que foram apresentadas na Corregedoria do Legislativo Municipal. Segundo o corregedor, vereador Wolmir Aguiar (PSC), o vereador está sendo acusado por um ex-assessor de exigir a devolução de parte do salário dos funcionários de seu gabinete, denúncia parecida com a acusação recente contra a vereadora Katia Dittrich (SD).

Na tribuna, Thiago Ferro afirmou que a denúncia é “caluniosa” e pediu celeridade no processo para que tenha a oportunidade de se defender. O vereador ainda protocolou um pedido para ter acesso à íntegra da denúncia.

O vereador suspeita que as acusações estejam sendo feitas por um ex-apoiador de sua campanha política, com quem rompeu relações. Segundo o parlamentar, ele já registrou boletins de ocorrência por ser sido alvo de ameaças, que envolvem também a sua família. “Se for a mesma pessoa das minhas denúncias e boletins de ocorrência, a denúncia é extorsão pura”, afirmou.

O corregedor informou que fará oitivas com os servidores do vereador ainda na tarde desta quarta-feira (23). Segundo Wolmir Aguiar, a denúncia envolve dois atuais assessores de Ferro e um terceiro servidor público, ligado à prefeitura de Curitiba. Wolmir afirmou que foram apresentadas conversas de WhatsApp para embasar a denúncia, mas que elas não foram trocadas diretamente com o vereador Thiago Ferro.

Ao blog Caixa Zero, do jornal Gazeta do Povo, o presidente da Casa, vereador Serginho do Posto (PSDB), afirmou que a acusação não veio embasada de provas, como no caso da vereadora Katia Dittrich (SD), alvo de uma Comissão Processante.

“É um caso diferente, se comparar com o a da vereadora Katia. Não trouxeram nenhum documento, comprovante de depósito. Por enquanto o que existe é um relato. Mas vamos apurar, nunca vamos deixar de investigar”, disse Serginho.