Foto: Ciciro Back

O governo não tem maioria na Comissão para impedir Mauro Moraes.

Presidente da Comissão de Segurança da Assembléia Legislativa, o deputado Mauro Moraes (PMDB) vai convidar o secretário de Segurança, Luiz Fernando Delazari, para explicar aos deputados as medidas que estão sendo adotadas para conter os índices de criminalidade em Curitiba. Moraes disse que o convite a Delazari será aprovado na reunião da Comissão, que está marcada para a próxima segunda-feira, 17. Moraes propõe que o secretário seja ouvido em uma audiência pública na Assembléia Legislativa.

?Nós vamos convidar o secretário por telefone, na hora da reunião. Se ele não aceitar, na mesma hora, vamos votar requerimento propondo a convocação?, antecipou o deputado. Apesar de integrante da base do governo, o deputado peemedebista vem reforçando o discurso da bancada de oposição, que responsabiliza o governo do Estado por falhas na política de segurança pública em Curitiba e nas demais cidades do Estado.

Moraes afirmou que não pretende expor o secretário a constrangimentos, mas que não pode ficar omisso diante da escalada da violência no estado. ?Sou um deputado. Sou um fiscalizador do Executivo?, justificou o deputado, afirmando que o governo deve ser pressionado a adotar medidas para proteger a população. ?Nós temos que pressionar para que o governo contrate mais policiais, coloque mais viaturas nas ruas e iniba a onda de violência?, disse.

Além de questionar o secretário de Segurança, Moraes também pretende mobilizar os integrantes da Comissão de Segurança para derrubar o veto do governador Roberto Requião (PMDB) à lei de sua autoria que obriga a Secretaria a divulgar os dados relativos à ocorrências criminais no Estado. ?O que nós temos de informação é pela imprensa. Isso não pode acontecer porque nós deputados temos que ter os dados até para saber que tipo de crimes são mais comuns e as regiões mais violentas da cidade. É um direito nosso?, disse Moraes.

Sem motivos

O líder do governo na Assembléia Legislativa, Luiz Claudio Romanelli (PMDB), disse que a proposta de Moraes não será aprovada. ?Não há motivo para o secretário vir à Assembléia. Não há um fato determinado que justifique a vinda do secretário. Nós temos informações mostrando uma redução nos indicadores de mortes e não ao contrário?, afirmou Romanelli. Ele disse que iria conversar com Moraes para dissuadi-lo da idéia de ouvir o secretário de Segurança.

O governo, entretanto, não tem maioria na Comissão para impedir Moraes de convidar Delazari a comparecer à Assembléia Legislativa. Os aliados são o líder do PT, professor Luizão Goulart, o deputado Dobrandino da Silva (PMDB) e o tucano Francisco Buher, que está alinhado ao governo. Os demais são vinculados à bancada de oposição: Reni Pereira (PSB), Elio Rusch (DEM) e Ney Leprevost (PP).