Depois de nove reuniões, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira elegeu nesta terça-feira o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) para a vice-presidência da Comissão. Em votação secreta, Teixeira obteve 21 votos. Seu adversário, o senador Pedro Taques (PDT-MT) conquistou oito votos. Dois senadores anularam o voto.

A CPI decidiu ainda deixar para a próxima sessão administrativa, marcada para o dia 5 de junho, a análise dos requerimentos de convocação dos governadores de Goiás, o tucano Marconi Perillo; do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiróz; e do Rio de Janeiro, o peemedebista Sérgio Cabral. O presidente da CPI, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), vai fazer um parecer técnico para definir se a comissão tem ou não poderes para convocar governadores de Estado.

Com a eleição do petista para a vice-presidência, todos os cargos chaves da CPI estão nas mãos de governistas – a presidência da Comissão com o PMDB e a relatoria com o petista Odair Cunha (MG). O nome do Taques foi lançado pelo líder do PSDB, Álvaro Dias (PSDB-PR).

A reunião hoje da CPI do Cachoeira é destinada a votar requerimentos. Com a decisão de não votar a convocação de governadores de Estado, o requerimento mais importante é o que propõe a quebra do sigilo bancário e fiscal da matriz da Delta Construções. O líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), disse ontem que o partido é contra a aprovação desse requerimento.