Dois mil funcionários da Petrobras estão na mira das investigações de um possível esquema de corrupção na petroleira. Todos os empregados com acesso a informações dos projetos denunciados na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, tiveram computadores e celulares apreendidos pela auditoria interna liderada pela ex-ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Ellen Gracie.

O trabalho da ex-ministra foi apresentado pela primeira vez ao conselho de administração da empresa, na reunião da última sexta-feira, dia 6, segundo uma fonte na empresa. À cúpula da estatal, a comissão especial revelou que conseguiu salvar informações que podem levar ao dimensionamento do estrago da corrupção na empresa e à identificação dos envolvidos na corrupção. Por utilizar métodos científicos, o trabalho poderá ser usado em juízo.

O primeiro passo da comissão foi impedir que informações fossem apagadas. “Do nada, apareciam homens vestidos de terno para pegar computadores e celulares. Sem aviso prévio. Ninguém sabia quem eram”, conta um funcionário que ocupa cargo de chefia no edifício sede da Petrobras.

Coletados os arquivos, o foco agora será a comprovação da veracidade das informações utilizadas no balanço financeiro de 2014. A Petrobras corre contra o tempo para divulgar o resultado e evitar o pagamento antecipado de dívidas. A ideia é rastrear dados falhos e conferir credibilidade aos números que serão apresentados à empresa de auditoria financeira PricewaterhouseCoopers.

Nova diretoria

Sob o comando de Aldemir Bendine, a nova diretoria da Petrobras assumiu hoje a empresa sem que houvesse um período de transição com a antiga gestão. Os cinco executivos que pediram demissão na semana passada – todos aposentados ou em processo de aposentadoria – já não dão mais expediente na empresa. Também não há previsão de que Graça Foster, ex-presidente, compareça à estatal.

Segundo apurou o Broadcast, serviço de informação em tempo real da Agência Estado, os executivos da antiga diretoria se colocaram à disposição de Bendine para uma eventual colaboração. Mas, até agora, não houve qualquer convocação.

Antes de deixar a empresa, a equipe de Graça deixou um esboço do plano de investimento para o período de 2015 a 2019, e relatórios operacionais das diversas áreas da empresa.

Além de uma nova diretoria, a Petrobras passa também por alterações no conselho de administração. Em votação interna, Deyvid Bacelar foi eleito o novo conselheiro representante dos empregados em substituição a Silvio Sinedino.